Vitrine de risco

Da Vitória à frente da bancada capixaba no Congresso Nacional: ônus ou bônus?

Novato na Câmara dos Deputados e ligado ao governador Renato Casagrande, o deputado Da Vitória (PPS) foi confirmado na tarde desta quarta-feira (6) o novo coordenador da bancada capixaba no Congresso Nacional, cargo antes ocupado por Marcus Vicente (PP), derrotado no último pleito. Ele terá, à frente do grupo de 13 parlamentares, a missão de defender os interesses do Estado numa interlocução entre o governo estadual e o do presidente Jair Bolsonaro (PSL), com quem acha que tem afinidade por ser o único militar entre os eleitos pelo Espírito Santo, como já declarou à imprensa local. Apesar da inexperiência do deputado em Brasília, a escolha, sem concorrência, atende ao interesse de Casagrande de buscar uma “relação extraordinária” com o governo Bolsonaro, mesmo que isso custe silenciar temas que contrariam as próprias bandeiras do PSB, declarado do campo de oposição à gestão do atual presidente. Para além de demandas sobre obras e investimentos federais no Estado, porém, a bancada será cobrada a se posicionar sobre temas espinhosos evolvendo a pauta do novo governo, começando pelo projeto anticrime de Sergio Moro e pela polêmica reforma da Previdência. Juntando todas as questões atuais e que ainda estão por vir, com a constatação de que a bancada capixaba tem atuação considerada inexpressiva no Congresso Nacional e o PSL local está em campo para executar planos eleitorais ambiciosos, que esbarram no grupo de Casagrande, Da Vitória terá que atuar como equilibrista para não ser “engolido”. O teste já começou: vem ônus ou bônus pela frente?

Sintomático 
A proposito, por que os veteranos abriram mão de reivindicar a função? A senadora Rose de Freitas (Podemos), conhecida por sua articulação com o governo federal, foi estimulada a se candidatar, mas “passou a vez”. Sérgio Vidigal (PDT), deputado experiente, também. O único interessado, além de Da Vitória, foi Evair de Melo (PP), reeleito em outubro passado, mas não vingou.

Marcado
O deputado do PP, para quem não se lembra, colocou Casagrande em saia justa no final do ano passado, ao publicar uma carta expondo conversas sobre a formação do atual secretariado. Fez por conta própria, ganhou holofote ao rejeitar um convite, mas incomodou o governador.

Municípios
Casagrande recebeu, nesta quarta-feira, 16 vereadores de Vila Velha no Palácio Anchieta. O governador avisa que abre, assim, uma série de reuniões com representantes de câmaras, para tratar das demandas de cada cidade. Pela lista de nomes, único ausente foi Adeilson Horti Super, do PSD. 

Solução caseira
Depois das “baixas” sofridas em sua equipe, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), oficializou três novos secretários: Mateus de Sá Mussa (PPS), na supersecretaria (Gestão, Planejamento e Comunicação) criada para o ex-vereador e deputado estadual Fabrício Gandini (PPS); Henrique Valentim, na Fazenda, no lugar de Davi Diniz, atual secretário da Casa Civil de Casagrande, e Márcio Aurélio Passos, na pasta de Desenvolvimento da Cidade. Todos são do PPS.

Solução caseira II
Luciano buscou os nomes na própria gestão municipal. Mateus era subsecretário de Comunicação e Henrique Valentim o titular da secretaria agora ocupada por Márcio, que, por sua vez, respondia pela subsecretaria de Tecnologia da Informação.

Retrocessos
O deputado estadual Vandinho Leite (PSDB) prosseguiu nesta quarta-feira (6) com sua meta de convencer os colegas de plenário sobre projetos polêmicas e contestáveis na área de Educação. Depois do Escola Sem Doutrinação, defendeu o que proíbe a ideologia de gênero no âmbito do sistema estadual de ensino, pauta da área evangélica. Aí - ainda bem - veio Iriny Lopes (PT)...

Retrocessos II
...“os deputados precisam ouvir mais opiniões científicas e prezar pela laicidade na discussão do tema”, pontuou a deputada, alertando: “o bullying que muitas crianças e adolescentes sofrem nas escolas devido à falta de debate sobre o assunto levam a muitos problemas como a enorme quantidade de suicídios no início da adolescência”. Entendeu, Vandinho? Sem religião!

Contraponto
A propósito, Iriny ocupou os seguintes espaços na divisão das comissões da Assembleia: vice-presidência do colegiado de Cidadania e Direitos Humanos e titular da Comissão de Meio Ambiente. E avisa que provocará debates sobre resistência no atual cenário de violação de direitos. A Casa carece disso há muito tempo!

Paternidade
O deputado estadual José Esmeraldo (MDB) voltou a esbravejar na sessão dessa terça-feira (5) da Assembleia, a primeira do ano. Sem citar nomes, criticou os políticos que acabaram de chegar e querem assumir a luta da água podre fornecida à comunidade de Cedrolândia, em Nova Venécia. Esmeraldo diz que a solução já foi providenciada por ele com a Cesan no final de 2018, só restando começar as obras de implantação de um filtro de tratamento. Que comece, então, oras! 

Omissão
O assunto voltou à tona nesta semana, devido a mais um protesto realizado pela sociedade civil em frente à prefeitura, com galões mostrando a cor da água amarelada. Além do deputado, os vereadores do município falaram sobre o problema no plenário da Câmara. O prefeito Lubiana Barrigueira (PSB), que até hoje não fez nada para resolver a questão, teria se reunido com Casagrande, prometendo soluções para esta semana. Já demorou.

PENSAMENTO:
“Não há conselho mais leal do que o que é dado num navio em perigo”. Leonardo da Vinci

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Educadores condenam emenda à Constituição que permite ao policial ser professor

Além da Escola Sem Partido, profissionais do Estado consideram militarização novo ataque à Educação

Na geladeira

Da Vitória volta a chiar sobre indicações do “banco de talentos” de Bolsonaro. Quem mais emplaca?

ECO 101 cumpriu apenas 10% das obras de duplicação previstas em contrato

Deputado federal Da Vitória defendeu na Assembleia o cancelamento do contrato e a prisão dos responsáveis

Congresso derruba veto e piso salarial dos agentes de saúde é mantido 

Michel Temer sancionou nova legislação profissional da categoria, mas havia vetado seis pontos