Servidores da Sejus são presos por beneficiar detentos mediante pagamento 

Esquema foi identificado no Centro de Detenção provisória da Serra e estendido para Colatina

Dois servidores da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), sendo um deles diretor do Centro de Detenção Provisória da Serra, foram presos, nesta quarta-feira (13), acusados de, em troca de pagamentos realizados por internos, oferecer tratamento diferenciado dentro do sistema prisional. A operação do Ministério Público do Estado (MPES), por meio do Grupo Especial de Trabalho em Execução Penal (Getep), também afastou um terceiro servidor e realiza busca e apreensão em domicílios dos suspeitos e repartições públicas. Os mandados foram expedidos pelo juízo de Colatina, que decretou o sigilo do caso. 

A operação Hagite, que conta também com apoio da Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), representada pela Diretoria de Inteligência Prisional (DIP), e pela Corregedoria do órgão e o Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas e a Corrupção (Nuroc), é resultado de levantamentos iniciais realizados pela Diretoria de Inteligência da Sejus, com os quais se obteve notícia de prática de crimes de corrupção passiva e associação criminosa por parte do diretor de uma unidade prisional localizada no município de Serra, o qual cobrava valores de um interno em troca de benefícios e regalias dentro do estabelecimento de custódia.

As apurações iniciais indicavam verdadeiro consórcio criminoso envolvendo servidores de outro presídio, localizado no município de Colatina, onde as irregularidades foram descobertas. Detentos saíam do município da Serra e, quando transferidos para o presídio de Colatina, mediante pagamento de vantagens indevidas, continuavam a receber tratamento diferenciado, sendo colocados para trabalhar, obtendo favores dos servidores investigados.

O Ministério Público obteve provas de ameaças a familiares dos internos para que as condutas praticadas não fossem denunciadas. Além disso, o MPES apurou que havia orientação formal para destruição de provas das condutas ilícitas perpetradas. As investigações estão em curso com o objetivo de esclarecer outras denúncias. 

O nome da Operação Hagite (mãe de Adonias, filho de Davi, à época rei de Israel) faz referência à posição de obter o que não é seu de direito. Na investigação em curso, remete ao pedido de pagamento de propina para que servidores pudessem realizar festas e viagens.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

MPES recorre de decisão que descongela pedágio da Terceira Ponte

Decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Vitória pode aumentar tarifa

Justiça mantém prefeito de Piúma afastado do cargo por mais 60 dias 

O prefeito José Ricardo da Costa foi denunciado por meio de uma delação premiada

Militantes de direitos humanos rejeitam construção de novas prisões

Anúncio foi feito pelo governador Renato Casagrande ao comentar redução de homicídios 

MPES aciona ex-prefeito de Baixo Guandu por improbidade administrativa

Ações foram impetradas pela gestão atual, de Neto Barros, que quitou dívidas herdadas de Lastênio Cardoso