Reflorestamento e poços de petróleo são temas prioritários sobre clima no ES

Soluções devem ser discutidas no Fórum Capixaba de Mudanças Climáticas, lançado nessa quarta-feira

Aumentar a taxa de reflorestamento, controlar as emissões fugitivas de metano durante a exploração de poços de petróleo, e substituir cada vez mais os combustíveis fósseis por biocombustíveis. Essas são as três diretrizes principais que o Espírito Santo deve seguir para reduzir suas emissões totais de gases de efeito estufa na atmosfera. 

“Os estados têm que assumir a liderança política no cumprimento dos compromissos que o país assumiu ao assinar o Acordo de Paris”, argumenta o diretor-executivo do think tank Centro Brasil no Clima (CBC), Alfredo Sirkis, presente na solenidade de assinatura do decreto que institui o Fórum Capixaba de Mudanças Climáticas Globais, realizada nessa quarta-feira (11) no Palácio Anchieta, Centro de Vitória.


Foto: Secom

Um dos especialistas a palestrar no evento, ao lado de Carlos Nobre, do Fórum Brasileiro de Mudança do Clima, Sirkis ressaltou o protagonismo do governador Renato Casagrande (PSB), o quarto a criar um fórum estadual sobre a questão  - os primeiros foram Alagoas, Pernambuco e Amapá. 

“A gente lançou o Fórum Capixaba pra fazer com que o Espírito Santo cumpra a sua parte no compromisso brasileiro, na NDC brasileira, e que ele possa ser feito de forma participativa”, assevera o especialista, citando a Contribuição Nacional Determinada (NDC, na sigla em inglês), a meta de redução de emissões de gases de efeito estufa do Brasil, assinada durante a COP21, em 2015, em Paris. 

O Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG), do Observatório do Clima, calcula que o Espírito Santo é o 16º maior emissor desses gases, no ranking nacional. E que a principal fonte consiste nas emissões fugitivas de metano, que ocorrem durante a exploração dos poços de petróleo, sendo responsável, segundo os números do SEEG/OC relativos ao ano de 2017, por 35,4% das emissões do setor de energia capixaba, que, por sua vez, aloca 32% das emissões totais do Estado. A solução é fazer um “arrocho em cima da indústria de petróleo” para reduzir essas emissões, aponta. 

Outra fonte importante é a queima de combustível fóssil pelo sistema de transporte, sendo necessário estimular o uso do etanol e do biodiesel. “Medidas tributárias, pra tornar o etanol mais competitivo”, sugere o especialista. 

Mais deserto verde?

Em paralelo ao controle das fontes, é preciso intensificar o reflorestamento, salienta Alfredo Sirkis, citando a recomposição da vegetação nativa e os chamados “reflorestamentos econômicos”, como os plantios de eucalipto no sistema de monocultura, que capturam carbono durante a fase de crescimento das árvores, havendo ainda lascas de madeira que podem abastecer usinas energéticas movidas a palets, em substituição às termelétricas e usinas a diesel e gás natural. 

Questionado sobre o risco de o Fórum dar aval para a expansão do deserto verde no Estado, Sirkis afirmou a necessidade da questão ser tratada no âmbito do Fórum e da Comissão Executiva, para que sejam tomadas as decisões mais apropriadas para a realidade do território capixaba. 

“O Fórum é exatamente o lugar para discutir esse tipo de problema, para que o governador tome decisão a partir das questões levantadas”. Até porque, declarou, “não se pode fazer só reflorestamento econômico, pois traz prejuízos à biodiversidade”. 


Foto: Secom

A monocultura de eucalipto é o uso do solo que mais cresceu no Estado, segundo o último Atlas da Mata Atlântica do Espírito Santo. Houve um acréscimo de 45 mil hectares entre 2007 e 2015, duas vezes e meia mais que a área recuperada pelo Programa Reflorestar em seis anos. 

Mudança de atitude

Para o cientista político e social José Marques Porto, membro do Conselho Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Consema) representando a ONG Associação Nacional dos Amigos do Meio Ambiente (Anama), a instituição do Fórum Capixaba significa “uma grande mudança de atitude de governo”. 


Foto: Leonardo Sá

“Durante o governo de Paulo Hartung a sociedade civil não chegava nem perto da porta do Palácio Anchieta e hoje é chamada pelo secretário de Estado de Meio Ambiente [Fabrício Machado] pra debater o decreto que institui o Fórum Capixaba de Mudanças Climáticas Globais”, compara o ambientalista, um dos principais articuladores da sociedade civil pela criação do Fórum e que, em maio, em entrevista a este Século Diário, chamou atenção para a necessidade de reativar o Fórum, paralisado desde a subida de Paulo Hartung ao Palácio Anchieta.

Nos encaminhamentos ao governo, ressalta Porto, o pedido foi para que a comissão executiva do Fórum seja paritária, com seis cadeiras para o governo e as outras seis divididas igualmente entre a sociedade civil, o setor produtivo e a academia. “A comissão executiva é técnica, o Fórum é político e não faz estudo nem projeto de lei”, diz, ressaltando a importância estratégica da comissão. 

“Isso é um avanço. Temos que reconhecer quando o governo faz o papel dele de respeitar a Constituição Estadual, no seus Artigos 186 e 187, que determinam a participação da sociedade civil na formulação e execução de políticas publica de meio ambiente”, diz. 

Na linha do “Action Now (Ação Já)”, lema da Conferência das Partes (COP) - órgão supremo da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) – Porto acredita que “nós temos que recuperar a natureza: encostas, manguezais. Arrancar concreto e plantar manguezal”, indica. 


Foto: Secom

O pensamento coaduna com a fala do governador durante a solenidade de instituição do Fórum, que destacou a intenção de ampliar o reflorestamento. “Temos uma meta de recomposição de floresta aqui no Estado. Estamos discutindo a recomposição de cinco mil hectares na Bacia do Rio Itapemirim. Estamos em um trabalho de investimento na mobilidade elétrica.  Assinamos recentemente o sistema de alerta de desastres climáticos”, enunciou.

Composição

O Fórum Capixaba de Mudanças Climáticas será presidido pelo governador Renato Casagrande e terá representantes das secretarias de Estado, órgãos e autarquias, além de representantes da Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes); da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado (Faes); da Federação das Empresas de Transportes do Estado do Espírito Santo (Fetransportes); da Coordenação Estadual de Proteção e Defesa Civil e da Procuradoria Geral do Estado (PGE).

Terá ainda um representante da Assembleia Legislativa; dois do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema), que representem a sociedade civil organizada e o setor produtivo; dois do Conselho Estadual de Recursos Hídricos (Cerh), que representem a sociedade civil organizada e o setor de usuários; um representante de Instituições de Ensino constituída no Estado do Espírito Santo, com notório conhecimento relativo aos problemas da mudança do clima; um da Associação Nacional de Órgãos Municipais de Meio Ambiente (Anama) e um da Associação dos Municípios do Espírito Santo (Amunes).

As iniciativas resultantes do Fórum Capixaba de Mudanças Climáticas devem contribuir para a implementação da Política Estadual de Mudanças Climáticas e elaboração do Plano Estadual de Mudanças Climáticas, em articulação com o Plano Nacional sobre Mudança Climática. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Governo do Estado quer investigação sobre fake news veiculadas nas redes sociais

Renato Casagrande seria o alvo das falsas notícias, que visam atrapalhar o atendimento às vítimas

Frente de policiais lança vídeo em que eleva tom contra Governo Casagrande 

Militares, civis e bombeiros dizem que já estão no limite e que a situação pode piorar em 2020

Governo tem até quarta-feira para aprovar regras de transição da Previdência

O governador Renato Casagrande deve seguir as mesmas regras adotadas pelo governo federal

Frente de policiais realiza protesto no Palácio Anchieta por reajuste salarial

Em faixa, categoria alerta que Casagrande mantém política salarial equivocada e fora da realidade do País