Pote cheio

Depois de “comer o pão que o diabo amassou”, Casagrande não está mais disposto a engolir mantra de Hartung

Depois de passar os últimos anos “comendo o pão que o diabo amassou” com a campanha negativa feita por Paulo Hartung que tentou colar na sua testa a marca de péssimo gestor, e sem mandato para fazer a devida defesa de seu legado, o governador Renato Casagrande deixa cada vez mais claro que não está disposto a engolir qualquer repetição desse mantra-marketing, tanto em nível local quanto nacional. Principalmente em casos como o registrado nesta semana, do artigo publicado no Estadão que “pinta” Hartung como o suprassumo dos políticos e Casagrande, de novo, como o irresponsável que coloca a perder o “maravilhoso trabalho” do antecessor. Assim como na recente matéria do The Economist, o “Time Casagrande” mais uma vez entrou em cena para rebater as informações vendidas no campo nacional, área de forte influência de Hartung, ainda mais acentuada desde que encerrou o terceiro período à frente do Palácio Anchieta e virou um produto tipo exportação. Depois de muito marketing, artigos e afins, aliados do governador mandam um basta coletivo a tanto confete gratuito. Como disse o deputado estadual Sergio Makeski (PSB) no plenário da Assembleia nessa quarta-feira (9): exaltação sem medida das gestões de Hartung, só mesmo por quem não vive no Espírito Santo.

Espaço reduzido
No último governo de Hartung, não que Casagrande tenha escutado calado a todos os discursos idênticos, iniciados ainda na campanha eleitoral. Mas sem a caneta na mão, a última palavra sempre era a do adversário.

Parceria
O artigo em questão, chamado Retrocessos e considerado sob encomenda, foi escrito pela economista Ana Carla Abrão, integrante do RenovaBR, movimento de empresários do qual Hartung faz parte. Depois das reações locais e de outro artigo-resposta publicado no Estadão, assinado pelo secretário de Governo, Tyago Hoffmann, eis que surge o ex-governador nas redes sociais...

Parceria II
...com texto iniciado em “Como super crises e equilibrar as contas”, Hartung publicou foto nesta quinta-feira (10) ao lado da própria Ana Carla Abrão, em evento do RenovaBR, onde diz ter falado da “realização do ajuste fiscal, dos avanços sociais conquistados e os resultados obtidos”. Putz, avanços sociais pesou pesado!

Marca principal
Embora o ex-deputado federal Carlos Manato amenize os danos, a possível saída do presidente Jair Bolsonaro do PSL atrapalha, e muito, seu projeto político local. Afinal, até agora, Manato circula por todo o Estado para erguer os palanques de 2020 ancorado na “onda Bolsonaro”, a mesma que tornou o partido forte e atraente nas eleições passadas. Sem o principal reboque, como fica?

Sem casamento
Diante da polêmica, Manato e sua mulher, deputada federal Soraya, publicaram textos em suas redes sociais garantindo que são “Bolsonaro acima de tudo”, seja lá em qual partido estiver. Mas há um porém: o presidente escolheu iniciar esse processo chutando a canela do comando do PSL. Se não houver conciliação, zero chances de alianças.

Galho em galho
A solução do casal seria ir atrás do presidente, que conversa com UDN, do capixaba Marcus Alves. Para Manato, ok, já Soraya precisa ter garantias jurídicas para não perder o mandato. Neste caso, seria a troca partidária mais rápida do ex-deputado federal, que deixou o comando do Solidariedade no ano passado, para bater continência a Bolsonaro.

Interlocução
Alvo de discursos na Assembleia e na Câmara dos Deputados, o fechamento da Agência Nacional de Mineração (ANM) no Estado foi tema de reunião nesta quinta-feira (10) entre a bancada capixaba no Congresso Nacional e o diretor-geral do órgão, Victor Hugo Froner Bicca, realizada em Brasília. Próxima agenda será com o Ministério de Minas e Energia.

Interlocução II
As reclamações dos parlamentares começaram após a Agência Nacional  consultar a superintendência local sobre o atendimento ser transferido para o Rio de Janeiro. O coordenador da bancada, deputado federal Da Vitória (Cidadania), disse que Bicca está solidário ao pleito. A conferir!

Comitiva
Os prefeitos Arnóbio Pinheiro (PRB), de Pinheiros; João do Carmo Dias (PV), de Brejetuba; e Alencar Marim (PT), de Barra de São Francisco, acompanhados de vereadores, foram a Brasília nessa quarta-feira articular recursos com a senadora Rose de Freitas (Podemos). Depois de sua baixa política, ainda mantém o título de “madrinha dos prefeitos”?

PENSAMENTO:
“Apenas os mortos verão o fim da guerra”. Platão

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
  • Osmar Ferreira , sexta, 11 de outubro de 2019

    Hartung sempre será liderança no ES. Se vier a candidato na próxima eleição, ocupará novamente o Palácio Anchieta, isso todos sabem, independente de ele estar nacionalmente falado pelos feitos de sua política fiscal do último mandato. O eleitor vota Hartung.

Matérias Relacionadas

Movimento Negro contesta 17% de cotas para negros em concursos estaduais 

Para militantes, parâmetro deve ser lei federal que estipula, no mínimo, 20% de reserva para negros 

Frente Unificada de Policiais reage às falas do governador sobre reajuste

Renato Casagrande afirmou que já se reuniu com frente e acena reajuste apenas para base da PM em 2020

Entidades de servidores acionam a Justiça para anular Previdência Estadual

Ação civil pública requer, em caráter liminar, a suspensão dos efeitos da medida proposta por Casagrande

Curso para formar sargentos da Polícia Militar terá 359 vagas

Com aprovação de emenda ao projeto do Executivo, ampliou o número de vagas, antes limitado a 240