Pescadores protestam contra apreensão de pescado na Prainha

População impediu apreensão, queimando caixas do Ibama, que pediu reforço da Polícia Militar

Sob protestos da população, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) tenta realizar a apreensão de pescado de cerca de 50 pescadores que desembarcaram na manhã desta segunda-feira (21) na Prainha, em Vila Velha, depois de quase trinta dias em alto-mar. 

Além da apreensão, o órgão ambiental aplicou multas com valores entre R$ 40 mil e R$ 60 mil por barco. A alegação é a ausência do equipamento PREPS, previsto no Programa Nacional de Rastreamento de Embarcações Pesqueiras por Satélite. 

O equipamento custa cerca de R$ 4 mil, só é vendido por duas empresas no país, e exige uma manutenção mensal de R$ 250 a R$ 280. O prazo legal para instalação venceu no último dia 1 de agosto, mas a categoria afirma não ter dinheiro para a compra.

“É um pessoal pobre, sofrido. Não poderia chegar assim multando e apreendendo a mercadoria. A gente precisa de mais prazo e de abrir concorrência, pra baixar o preço do PREPS”, argumenta o presidente da Colônia Z-2, da Prainha, Nivaldo Daré. 

Diante da resistência da população durante a ação, que ateou fogo nas caixas que o Ibama usaria para levar o pescado, o órgão solicitou reforço da Polícia Militar. “Se precisar ficar a noite toda aqui, nós vamos ficar a noite toda aqui”, afirma Daré.

A Colônia de Pesca também já acionou os seus advogados, para conseguir uma liminar na Justiça que proteja os pescadores das punições até que um novo prazo legal para a instalação do equipamento seja obtido. 

No momento do fechamento desta reportagem, a Colônia Z-2 estava reunida com o superintendente do Ibama no Espírito Santo, Diego Libardi, na tentativa de um acordo. 

Camaroeiros

Em setembro último, os pescadores de camarão da Enseada do Suá do Espírito Santo conseguiram estender por mais um ano o prazo para instalação do PREPS, que venceria, para os camaroeiros, em 11 de setembro. 

A articulação durou meses e envolveu a gestão do Ibama em Brasília e a Advocacia Geral da União (AGU), além das superintendências do Ibama e da Pesca no Espírito Santo, e políticos da bancada capixaba. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

‘O setor da pesca vai parar?’, questionam pescadores de camarão

Categoria pede mudança na Portaria 47 e prorrogação do prazo para instalar o equipamento PREPS

Pescadores param máquinas no Rio Pequeno exigindo reunião com Vale e Samarco

Renova se nega a cadastrar pescadores com protocolos de carteira profissional datados de 2012 a 2014

‘Renova age de má-fé contra os pescadores’, denunciam lideranças

Usando legislação errada para embasar cadastro de atingidos, Renova não reconheceu pescadores da Serra

Renova convoca reunião com pescadores sobre atingidos ainda não reconhecidos

Pescadores, artesãs, areeiros e lavadeiras não descartam novos protestos, caso negociações não avancem