MST ocupa área da Suzano (Fibria-Aracruz) em Pinheiros

Na luta pela reforma agrária, movimento quer que áreas de monocultivo de eucalipto produzam alimentos

A concentração de terras é diretamente relacionada à concentração de renda. A reforma agrária é apontada pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) como uma estratégia para fomentar a justiça social. Como se sabe, o movimento não espera, faz acontecer. E a ocupação de terras tem sido um instrumento histórico para se fazer ouvir. Na madrugada desse sábado (19), cerca de 50 famílias sem terra afetadas pela fome e desemprego ocuparam uma nova área em Pinheiros, norte do Espírito Santo.

Se trata da área S 105, com 414 hectares, às margens da BR 101, onde a empresa Suzano (ex-Fibria e ex-Aracruz Celulose) fomenta o plantio de eucalipto em larga escala. Os impactos do monocultivo de eucalipto têm sido denunciados há décadas por movimentos sociais, políticos e ecológicos, por gerar concentração de terra e renda, esvaziamento do campo, danos ao solo, à água e ao equilíbrio natural, além de possíveis derrubadas de matas nativas e grilagem de terras envolvidas em processos para obtenção de terras.


Foto: MST-ES

"A Suzano, após fusão com a empresa Fibria, é responsável pela destruição de gigantes áreas de terras agricultáveis no Estado, expulsando milhares de famílias camponesas, quilombolas e indígenas. Produzem eucalipto para o mundo, concentrando riquezas e deixando a pobreza da população e degradação ambiental paras as regiões e para o nosso país", acusa o MST.

Em lugar disso, o movimento rural aponta para a necessidade de reforma agrária para distribuir terras que possam produzir alimentos saudáveis para a sociedade, reafirmando a necessidade da luta e organização dos trabalhadores para alcançar esse objetivo. Há mais de 30 anos enfrentam o modelo dos latifúndios de cana e eucalipto na região norte do Espírito Santo.

"A reforma agrária continua sendo a política pública necessária para resolução destes conflitos que só se resolvem com a distribuição das terras e o desenvolvimento socioeconômico das famílias. É necessário transformar áreas sem gente e sem trabalho em campos onde possamos produzir alimentos saudáveis, gerar trabalho, construir escolas e formar novas comunidades camponesas", pontua o movimento em nota pública sobre a nova ocupação, na qual as famílias começaram a se instalar e construir barracos para formar um acampamento, que pretendem que futuramente seja transformado num assentamento permanente para famílias camponesas.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

'Eles combinaram de nos matar, nós combinamos de não morrer'

Marcha Contra Extermínio da Juventude Negra terá ato e ações culturais no Centro de Vitória nesta quarta

Publicação registra lutas contra exploração petroleira no Espírito Santo

Almanaque da Campanha Nem Um Poço a Mais será lançado nesta quinta-feira durante a III Semana Sem Petróleo

'Deixe a natureza cuidar de você'

No Assentamento Zumbi dos Palmares, Sanuza Motta promove trabalho de saúde e cura com plantas medicinais

Feira da Reforma Agrária terá três dias de comida, política e cultura

Venda de alimentos, debates e shows transformarão o ambiente da Praça Costa Pereira na próxima semana