Movimentos para garantir Marcelo Santos no Tribunal de Contas passam por Erick

A reeleição de Erick Musso para um segundo mandato na Presidência da Assembleia amplia a sua influência

A reeleição para um segundo mandato de dois anos na presidência da Assembleia Legislativa, com 28 dos 30 votos da atual legislatura, deixa o deputado Erick Musso (PRB) revestido de maior influência para bancar a indicação do próximo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE). 

A vaga deve ser aberta com a aposentadoria de Valci Ferreira, que se encontra preso por corrupção, e reacende processo para declarar vago o cargo, à espera do parecer do relator do caso no Tribunal, Domingos Taufner. O nome do deputado Marcelo Santos (PDT) é apontado como o favorito ao cargo.

O processo analisa solicitação do deputado Erick Musso, formalizada em setembro de 2018, visando declarar a vaga aberta oficialmente, em virtude do afastamento de Valci, que, apesar de preso, ainda é considerado no exercício das funções. A aposentadoria muda esse quadro. 

Como naquela época, o nome do deputado Marcelo Santos (PDT), primeiro vice-presidente da Assembleia, surge como forte candidato à vaga, com a vantagem de contar com o apoio do deputado Erick Musso. Isso por conta da articulação promovida por Marcelo na eleição da Mesa Diretora da Assembleia, gerando o apoio necessário à reeleição de Erick. 

No mercado politico, essa parceria dá a Marcelo Santos vantagem sobre os outros candidatos. Até agora, além dele, surgiram no mercado nomes como do também deputado Dary Pagung (PRP), o secretário de Governo, Tyago Hoffmann, e o presidente estadual do PSB, Luiz Carlos Ciciliotti, os dois últimos com o aval do governador Renato Casagrande (PSB). 

A indicação para conselheiro do Tribunal de Contas cabe à Assembleia, mas tem que ser referendada pelo governador. Tradicionalmente, o governo do Estado lidera as articulações, mas neste ano o cenário poderá mudar, já que os deputados garantem, desde o ano passado, não abrir mão do protagonismo.

Apesar da especulação em torno de Hoffmann e Ciciliotti, os bastidores registram, além do apoio de Erick, um acerto que teria sido formalizado entre Marcelo Santos e Casagrande, que levou o deputado a atender ao governo e deixar de assumir a Secretaria de Esportes, dentro da cota do PDT na nova gestão. 

Em outubro do ano passado, a defesa de Valci iniciou o procedimento para o pedido de aposentadoria no Instituto de Previdência dos Servidores Públicos (IPAJM), com base no tempo de contribuição, para apressar o processo de declarar o cargo vago.

Antes disso, em julho, foi formalizado pelo presidente da Assembleia o pedido de vacância da cadeira, sendo o deputado estadual Marcelo Santos (PRB) sinalizado como candidato mais forte. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Blindagem

''Acordão'' entre Eder Pontes e Erick Musso já foi escancarado, mas poucos se atrevem a fazer eco

Justiça barra parecer que pede rejeição das contas do prefeito de Guarapari

O prefeito Edson Magalhães recebeu parecer desfavorável do Tribunal de Contas do Estado

Sobrecarga

Erick Musso vai passar ileso pela jogada que empurrou mais privilégios goela abaixo da população?

Liderança de Amaro em Vitória aquece projeto de Erick Musso ao governo em 2022

O presidente da Assembleia viaja por todo o Estado a fim de ampliar sua densidade eleitoral