Ministério Público vai destinar 20% das vagas de estágio para negros

O anúncio será feito durante o II Encontro da Juventude Negra com o MPES, nesta sexta-feira

Na próxima sexta-feira (18), o Ministério Público do Espírito Santo (MPES) irá anunciar que 20% das vagas de estágio no órgão serão destinadas para negros. O anúncio será feito durante o II Encontro da Juventude Negra com o MPES, na Procuradoria Geral de Justiça, em Vitória. Segundo a procuradora de Justiça e coordenadora do Núcleo de Proteção dos Direitos Humanos, Catarina Cecin Gazele, a iniciativa pretende servir de exemplo para outros órgãos no que diz respeito à inclusão social de pessoas negras. 

A procuradora destaca, ainda, que o país tem uma dívida histórica com essa população. “O Brasil deve muito aos negros e negras. A dívida é grande. O que a gente puder fazer para o enfrentamento ao preconceito racial é pouco. A gente tem que fazer o máximo, mas o máximo ainda é pouco”, diz. Ela salienta que a abolição da escravatura não veio acompanhada de políticas públicas para promover a inclusão da população negra.

“Nos Estados Unidos, por exemplo, os negros e negras receberam terras para plantar, colher, morar. Aqui no Brasil não houve política pública efetiva. Muitos tiveram que voltar para o senhor de engenho e trabalhar em troca de comida”, diz Catarina.

A reserva de vagas começa a vigorar a partir do próximo processo seletivo. De acordo com o integrante do Coletivo Negrada, João Victor Penha dos Santos, a medida faz parte de uma série de atividades que o Núcleo de Proteção dos Direitos Humanos do Ministério Público vem fazendo em parceria com movimentos ligados à luta contra o racismo.

“Estamos realizando uma série de eventos, mas para não ficar só nos eventos, nos debates, surgiu a ideia da reserva de vagas”, diz. 
O MPES já reserva 20% de suas vagas para promotor e servidores efetivos para negros. 

Foco na população negra

A política de inclusão para negros no ingresso de estagiários será anunciada durante o II Encontro da Juventude Negra com o MPES, cujas inscrições podem ser feitas pelo aplicativo MPES Cidadão e no dia do evento. O I Encontro da Juventude Negra com o MPES foi realizado no primeiro semestre deste ano. 

“O primeiro foi mais formativo. O segundo está mais focado em encaminhamentos”, diz João Victor. O evento terá três palestrantes homens e três mulheres. Todos negros e negras. Assim, além da questão racial, garante-se a paridade de gênero. A programação tem foco principal na questão do extermínio da juventude negra.

“Discutimos que o extermínio da juventude negra seria o assunto principal das atividades. Vamos discutir políticas públicas de saúde e educação, por exemplo, mas entendemos que um corpo tombado não vai mais sequer ter acesso a isso e muito menos lutar por essas políticas”, explica João Victor.

Uma das ações que o Negrada e também o Fórum da Juventude Negra do Espírito Santo (Fejunes) pretendem viabilizar em parceria com o Ministério Público é a organização dos dados sobre extermínio da juventude negra. “Precisamos juntar os dados que se têm sobre o assunto, que são públicos, como os do Instituto Jones dos Santos Neves e Mapa da Violência. Com base nessas informações, o MP pode cobrar políticas públicas para enfrentar esse problema”, diz João Victor. 

Confira a programação:


13h30: Credenciamento.
14h: Abertura e Vídeo institucional.
14h30: Palestra: As várias formas de nos matar.
João Victor Penha dos Santos | Estudante de ciências sociais da Ufes e militante do Coletivo Negrada.
15h: Palestra: A negritude e seus efeitos: potências e desafios para construção de um Estado antirracista - Geovanni Lima da Silva | Mestrando em Artes Visuais pela Unicamp, assessor especial da Secretaria de Estado de Direitos Humanos e administrou o Centro de Referência da
Juventude (CRJ) de Vitória.
15h30: Palestra: Cortes na educação como forma de exclusão - Filipe Gutemberg Costa Lima | Estudante de ciências sociais da Ufes e membro do Fórum Estadual da Juventude Negra do Espírito Santo (Fejunes).
16h: Intervalo.
16h30: Palestra: Apropriação cultural e racismo recreativo.
Adriana Silva | Estudante de Turismo do IFES, Diretora de Realações Institucionais da Unegro/ES, coordenadora do Fórum Nacional de Mulheres Negras e coordenadora do Coletivo de Negras e Negros do IFES.
17h: Palestra: Negritudes e culturas periféricas: o que a mídia não mostra - Aline Gonçalves Almeida | Estudante de comunicação social pesquisadora negra, integrante do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (Neab) da Ufes, produtora e locutora do programa Afro-diáspora.
17h30: Palestra: As minas e os boys: curtindo e compartilhando negritudes - Heloisa Ivone da Silva de Carvalho | Coordenadora do Fórum Nacional de Mulheres Negras. Coordenadora da Comissão de Educação em Direitos Humanos/Seme.
Pesquisadora do LAPVIM/Ufes, vice presidente da Unegro, professora de pós graduação nas disciplinas de Direitos Humanos, Relações Etnico-raciais e Gênero.
18h: Debates.
18h30: Encerramento.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

MPES recorre de decisão que descongela pedágio da Terceira Ponte

Decisão da 2ª Vara da Fazenda Pública Estadual de Vitória pode aumentar tarifa

Justiça mantém prefeito de Piúma afastado do cargo por mais 60 dias 

O prefeito José Ricardo da Costa foi denunciado por meio de uma delação premiada

Movimento Negro contesta 17% de cotas para negros em concursos estaduais 

Para militantes, parâmetro deve ser lei federal que estipula, no mínimo, 20% de reserva para negros 

MPES aciona ex-prefeito de Baixo Guandu por improbidade administrativa

Ações foram impetradas pela gestão atual, de Neto Barros, que quitou dívidas herdadas de Lastênio Cardoso