Juventude Negra sugere criação de fundo e rede de atenção nas periferias

Propostas foram entregues à secretária estadual de Direitos Humanos, Nara Borgo 

O Fórum Estadual de Juventude Negra do Espírito Santo (Fejunes) sugeriu ao Governo do Estado criar núcleos específicos de atenção à juventude negra nos municípios do Espírito Santo onde os índices de mortes desse segmento estejam crescendo. Além disso, que sejam instituídas políticas públicas de luta contra o extermínio em curso, com fortalecimento de equipamentos públicos. Também foi reivindicado que seja criado um fundo de juventude, com porcentagem de verbas voltadas à diminuição de índice de assassinatos, garantido, por exemplo, orçamento aos núcleos criados nas cidades.

Segundo dados do último Atlas da Violência, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado em 2018, enquanto as taxas de homicídios caíram no Espírito Santo, os assassinatos de pessoas negras é 4,5 vezes maior que os de brancos, amarelos e indígenas. Em 2016, a taxa de homicídios para negros (pretos e pardos) foi de 42,3 e a de não negros (brancos, amarelos e indígenas) foi de 9,3.

As reivindicações foram feitas, no último dia 5, em reunião com com a secretária de Estado de Direitos Humanos, Nara Borgo. “A reunião foi proposta para pensarmos juntos políticas públicas que diminuam o índice de extermínio da Juventude Negra e a melhor maneira da juventude se manter viva nos espaços que perpassam. Dialogamos também sobre o acesso da juventude negra periférica em espaços públicos, que têm sua burocracia na entrada, sobretudo o Palácio Anchieta”, disse Crislayne Zeferino, presidente do Fejunes. 

O último pedido tem relação com a falta de diálogo da gestão do ex-governador Paulo Hartung, que, por diversas vezes, impediu a entrada da juventude negra no Palácio Anchieta. Numa das vezes, em abril de 2018, um grupo de quatro jovens militantes, entre elas a própria Crislayne, foi barrado na porta do Palácio com um documento que pedia providência contra as mortes dos jovens Damião Reis, 22, e Ruan, 20, assassinados cruelmente com mais de 42 tiros no Morro da Piedade, Centro da Capital. Também políticas sociais e de segurança que façam cessar o genocídio em curso há anos nas periferias do Estado. 

Para Crislayne, a reunião foi significativa, pois as propostas terão um encaminhamento com possibilidade de que se tornem realidade. “A secretária disse que todas essas propostas são de extrema importância para o Estado e que vamos caminhar juntos para conseguir o melhor para juventude do Estado”.

Principais propostas apresentadas ao Governo do Estado:
Criar uma sala própria da Gestão de Juventude no Palácio.
Criar um decreto para que o atendimento no Palácio seja menos burocrático.
Criação de rede de jovens da periferia.
Criar núcleos de juventude Negra nos municípios do Estado onde o índice de morte da juventude negra tem crescido.
Instituir Políticas Públicas para a luta contra o extermínio da Juventude Negra.
Fortalecer equipamentos públicos para a Juventude Negra.
Garantir os orçamentos nos núcleos que serão criados.
Criar o Fundo de Juventude e no mesmo ter uma porcentagem para diminuição do índice de extermínio da Juventude Negra.
Elaborar treinamentos e capacitação necessária para promover um policiamento que não seja orientado por estereótipos e concepções racionalizadas sobre quem são os sujeitos de atos criminais.
Implementar políticas de prevenção à violência e repressão qualificada.
Estimular junto às unidades prisionais ações na área da saúde, trabalho, educação e cultura.
Estimular junto ao Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases) ações relacionadas às promoções de direitos Humanos.
Criar espaços institucionais (delegacia, varas, promotorias e defensorias públicas) especializados no combate aos crimes de LGBTFobia e racismo.
Garantir programas que combatem a discriminação contra a população jovem negra LGBTQI+ com dotação orçamentária específica.
Promover campanhas e ações educativas de combate a discriminação de identidade e orientação sexual.
Ofertar formação inicial, continuada e permanente para os profissionais de saúde sobre temas relacionados a juventude negra LGBTQI+.
Criar e implementar Políticas Públicas para garantir o acesso ao mercado de trabalho para jovens negros LGBTQI+.
Criar fundo Estadual de Promoção de Igualdade Racial com uma porcentagem para juventude negra, sobretudo juventude negra LGBTQI+.
Criação de políticas públicas públicas para a juventude negra LGBTQI+ em situação de rua.
Criar um espaço que integra/acolhem a juventude negra LGBTQI+ que foi/é excluído do ambiente familiar.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Fórum da Juventude Negra está com inscrições abertas para formação

O Papo Reto formará 50 jovens capixabas que atuarão em redes de articulação

Estado Presente pode aumentar mortes nas periferias e criminalizar a pobreza

Entidades do movimento social criticam que políticas sociais só terão início no segundo semestre deste ano

Fejunes realiza ato cobrando respostas para mais de 200 mortes na greve da PM

Ato foi realizado na escadaria da Assembleia Legislativa nessa segunda-feira

Movimento Nacional de Direitos Humanos entrega reivindicações ao Estado

A secretária de Direitos Humanos, Nara Borgo, recebeu o documento com a pauta prioritária para a área