Igreja de Queimado vai ganhar museu a céu aberto

Acordo de Cooperação será assinado na terça para obras no sítio arqueológico na Serra

Principal monumento histórico que remete à resistência contra a escravidão no Espírito Santo, a Igreja de São José de Queimado, na Serra, vai ser transformada num museu a céu aberto. Em abril, o sítio começou a receber uma prospecção arqueológica em busca de novos indícios e materiais que ajudem a explicar a história do local.

Na terça-feira (14), às 10h, será assinado no Palácio Anchieta um Termo de Acordo de Cooperação Técnica e Financeira, entre o município e o Sindicato do Comércio Atacadista e Distribuidor do Espírito Santo (Sincades). Os valores oficiais ainda não foram divulgados, mas estima-se que serão necessários cerca de R$ 1,2 milhão para as obras no local.

Com a restauração, a Igreja receberá uma estrutura de metal para dar sustentação às ruínas que ainda estão de pé, além de um piso removível. As ruínas não terão cobertura, mas contarão com nova sinalização e acesso.

Foto: Jansen Lube/PMS

“A ideia do convênio é revitalizar a Igreja e conseguir registrar a história a partir do que se tem até o momento. Ali haverá local para observação e guias de turismo para prestar maiores informações. Nossa ideia é poder recepcionar as pessoas que visitarem e colocar o local no mapa turístico do município da Serra”, informa o secretário de Turismo, Cultura, Esporte e Lazer, Alessandre Motta. Os detalhes finais do projeto ainda estão sendo fechados e espera-se que sejam divulgados oficialmente terça-feira.

Segundo o secretário, alguns dos objetos encontrados na prospecção arqueológica deverão ficar expostos no museu aberto dentro da Igreja. “É um resgate cultural da afrodescendência do município. Ali está de forma muito latente a história dos afrodescendentes na Serra, um passado que faz parte do município". 

O terreno onde se localiza o Sítio Histórico de Queimado pertencia a particulares e foi doado em 2015 para o município da Serra. Naquele local aconteceu em 1849 a Revolta de Queimado, quando negros escravizados se rebelaram após construírem a Igreja e não receberem a alforria que dizem que lhes havia sido prometida pelo padre local. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Evento debate impacto de grandes empreendimentos em sítios arqueológicos

Na próxima semana, Encontro Capixaba de Arqueologia traz grandes nomes da área no Brasil para a Ufes

Projeto que obriga preso a ressarcir o Estado é discutido no Senado

Militantes criticam medida considerada retrocesso por levar detentos à espécie de escravidão moderna   

Ocupação e resistência

TV Século visitou a ocupação que leva o nome de Chico Prego, herói da luta contra a escravidão no Estado