Entidades cobram políticas diante de rejeitos de minério e derrame de petróleo

Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional convoca plenária ampliada para debater e construir propostas

O Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do Espírito Santo (Consea-ES) convocou para o próximo dia 28 de novembro uma plenária ampliada com o tema "Impactos socioambientais dos rejeitos de minério do crime de Mariana e do derrame de petróleo na costa brasileira". A atividade aberta a todas sociedade acontece no Auditório da Secretaria de Trabalho, Assistência e Desenvolvimento Social (Setades), no Barro Vermelho, Vitória, a partir das 13h30.

De acordo com o presidente do Consea-ES, Rosemberg Caitano, em sua reunião ordinária em outubro, o conselho viu com preocupação a chegada do óleo derramado no litoral capixaba e a perpetuação das dificuldades das comunidades em torno do Rio Doce com a qualidade e uso da água. "Nos preocupamos com a qualidade da água no Estado porque ela é o principal alimento e sem ela as pessoas não conseguem ter acesso aos outros alimentos", explicou.

A plenária acontece no embalo dos preparativos para a Conferência Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional, que deve acontecer nos dias 11 e 12 de dezembro em local ainda a ser definido. Nela, serão debatidos temas relacionados com alimentação e nutrição da população capixaba e levantadas sugestões de políticas públicas e outras ações para implementação do governo estadual.

De tal maneira, o Consea-ES convidará para o próximo dia 28 representantes de movimentos sociais, pesquisadores, pessoas atingidas pelos crimes, pescadores, conselheiros municipais nos municípios afetados para obter mais informações sobre a situação nos locais e pensar estratégias e propostas. 

Curiosamente, a plenária abordará dois crimes graves, mas com temporalidades distintas. Enquanto o derrame de petróleo recém atingiu a costa capixaba e as autoridades ainda batem cabeça sobre como lidar com seus impactos, o caso do Rio Doce já completou quatro anos desde o rompimento da barragem de rejeitos em Mariana, embora ainda acumule inúmeros problemas.

"No crime de Mariana, a gente vê que a sociedade civil está sempre à margem, não há política de reparação dos danos e recuperação do rio. No caso do petróleo, vemos o poder público se mobilizando mas sem envolvimento da sociedade civil para participação e controle social", reclama Rosemberg. "É preciso chamar a sociedade civil para debater mais esses assuntos, que estão muito dentro dos gabinetes".

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Entidades denunciam tentativa de “reparação de fachada” da Samarco/Vale-BHP

Empresas querem reduzir em 14 vezes valor total das assessorias técnicas selecionadas por atingidos

Fiscalização apreende 120 caranguejos na Vila Rubim em Vitória

Os crustáceos foram apreendidos, nesse sábado (11), e soltos no mangue da Ufes

Estudantes convocam assembleia contra aumento da passagem do Transcol

Encontro na próxima segunda-feira vai discutir estratégias para barrar subida da tarifa para R$ 3,90

Retrospectiva: gestão do secretário Nésio Fernandes breca terceirizações

Também teve destaque na Saúde luta de agentes por piso salarial e descasos em Cariacica