‘É vergonhoso. A gente passar necessidade e até hoje não ter recebido um real’

Família perde todo o cacau em Colatina, é reconhecida como atingida, mas não tem auxílio nem indenização

É mesmo vergonhosa a atuação da Samarco, da Vale e da BHP Billiton, e de sua Fundação Renova, junto aos atingidos pelo maior crime da história da mineração mundial. A situação da família de Ilson José Engelhardt, produtora de cacau em Colatina, noroeste do Estado, é um dos tristes exemplos de falta de legalidade dessas empresas e de humanidade por parte de seus gestores, fartamente remunerados para chancelarem, com seus currículos, decisões absolutamente vazias de respaldo legal e ético e que contrariam até mesmo as diretrizes da frágil governança montada para, teoricamente, executar as medidas de reparação e compensação dos danos socioambientais advindos do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana/MG, que devastou o Rio Doce com mais de 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração.

Já se passaram quatro anos e, até agora, estão sem receber o auxílio financeiro emergencial (AFE) e as indenizações por danos materiais, morais e lucro-cessante milhares de pessoas, segundo os órgãos de Justiça que apoiam os direitos dos atingidos e a consultoria Ramboll, contratada pelo Ministério Público Federal (MPF). Para organizações da sociedade civil como o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), essas vítimas não reconhecidas ou indenizadas estão na casa dos milhões. 

Nesse universo de injustiça e impunidade, está a família de Ilson José Engelhardt, que perdeu mais de 60 mil pés de cacau em sua propriedade em Colatina, já reconhecida como atingida (na foto à esquerda, o cacau antes da lama). “É vergonhoso. A gente passando necessidade e até hoje não recebeu um real”, revolta-se o cacauicultor. 

“Quando a lama entrou, onde ela chegou os frutos já apodreceram. A gente achou que na próxima florada ia ser normal, a planta conseguiria se recuperar”, diz. Mas no ano seguinte, além do cacau morrer, a própria floresta se mostra definhando também. “Estão morrendo árvores centenárias, sapucaia, pau d' alho. E nunca morreram antes”, conta.

Dentro da propriedade da família passa uma vazante da lagoa do Limão, a segunda maior de Linhares, município vizinho à propriedade. Depois de atravessar o cacaueiro dos Engelhardt, a vazante deságua no Rio Doce. 

Quando a lama chegou ao Espírito Santo, a comunicação entre a lagoa e o Rio Doce foi fechada para evitar a contaminação do complexo lacustre, operação semelhante à feita em outras lagoas da região, que ainda estão isoladas do grande rio, o que lhes salvaguarda da lama, mas impede o fluxo hídrico, a reprodução dos peixes e já provoca sérios problemas. 

Uma enxurrada no início de 2016, no entanto, arrebentou a pequena barragem e contaminou toda a propriedade. “Entrou tudo na nossa lavoura. Inundou em torno de um metro a um metro e meio”, lembra Ilson.

Quando a enxurrada baixou, somente a água voltou para o Doce, mas a lama decantou na terra. “Está lá, concentrada”, lamenta. “Limpamos toda a roça pra ver se na próxima florada ia vingar. A florada seguinte veio, os frutos cresceram, mas quando chegavam num ponto de uns dez, oito centímetros, iam morrendo. Antes de amadurecer, morria tudo”, descreve (na foto acima, a lavoura depois da lama)

Contratada pela Fundação Renova, a empresa Sinergia afirmou, em seu laudo, que 40 hectares estão aptos para produção e apenas quatro deveriam ser indenizados. 

Diante do absurdo cálculo, a família entrou na Justiça e fez outros laudos que comprovaram a destruição de toda a propriedade. “O agrônomo disse que não dá pra saber quanto tempo essa terra vai ficar improdutiva. Seria em torno de dez anos, mas não poderia garantir”, diz. “Com o tempo absorve, mas não há estudos pra dizer se a terra vai voltar ao que era”. 

As plantas, porém, precisam ser todas arrancadas, estão condenadas. Mais de 40 hectares, 60 mil pés de cacau e milhares e milhares de árvores nativas, que fazem o sombreamento necessário ao cacaueiro plantado no tradicional sistema de “cabruca”. 

“Poderia resolver jogar gesso, que puxaria a lama pro fundo da terra, mas não sabe se resolveria ou agravaria o problema. É uma coisa que a gente nunca viu. Tem que deixar a terra absorver e observar o comportamento da terra”. 

Sem cacau e sem café – o cafezal em São Gabriel da Palha também foi aniquilado, mas pela seca – a família não consegue arcar com o financiamento bancário e nem mesmo com as despesas do dia a dia. “Estamos passando por necessidades básicas. Com nome negativado, você é nada no Brasil e eles não querem saber. Hoje a gente sobrevive vendendo queijo de porta em porta. É a única forma de sustento da nossa família”, suplica. 

A primeira audiência de conciliação do processo, ajuizado em meados de 2016, está agendada para o próximo dia 20. A própria Sinergia esteve na propriedade no dia 31 de outubro e, informalmente, disse à família que a situação realmente piorou. Mas, considerando o histórico de atuação judicial da Samarco no caso do Rio Doce, difícil acreditar que essa verdade é que servirá de base para a negociação que a empresa criminosa irá propor perante o juiz. Seja como for, que a Justiça seja feita e reverbere para os demais milhares – ou milhões – de atingidos ainda desamparados. 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Entidades denunciam tentativa de “reparação de fachada” da Samarco/Vale-BHP

Empresas querem reduzir em 14 vezes valor total das assessorias técnicas selecionadas por atingidos

Justiça equipara salário de agente de Polícia Civil ao cargo de investigador

Desde dezembro, primeiro servidor começou a receber diferença salarial de R$ 2 mil por desvio de função 

Camaroeiros da Praia do Suá fecham acordo de indenização com a Renova

Pescadores tiveram que lutar pelo reconhecimento e serão indenizados mais de quatro anos depois do crime

Consultoria recomenda ampliar proibição de pesca no mar, leito e foz do Rio Doce

A Lactec foi contratada pelo MPF para analisar nota da Anvisa sobre risco de consumo de pescado na região