Documentário aponta farsa do trabalho da Fundação Renova 

Vídeo mostra problemas de saúde nas comunidades atingidas e persistência do crime com a falta de soluções

Mais de três anos depois do crime socioambiental das mineradoras Samarco, Vale e BHP, não só a impunidade mas também os problemas nas comunidades persistem. Um documentário lançado nesta semana pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) aponta os problemas de saúde dos atingidos e a negligência do Estado e da empresa na atenção às vítimas do crime.

Com 16 minutos de duração e produção feita em parceria com o Brasil de Fato e a produtora Rupestre Filmes, a obra Renova: O crime é periódico mostra que os sintomas de problemas de saúde se reproduzem ao longo da Bacia do Rio Doce desde Mariana e Barra Longa (MG) até a foz do rio em Regência, norte do Espírito Santo.


 

São ouvidos atingidos, profissionais de saúde, promotores de justiça, assessores técnicos e outras pessoas envolvidas com os entornos afetados pelo crime que derramou mais de 50 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração por 600 quilômetros e 39 cidades entre Minas Gerais e Espírito Santo.

Como sugere o título do documentário, ele apresenta questionamentos sobre a atuação da Fundação Renova, que na prática atua de modo empresarial, na defesa dos interesses das empresas.

Filmado antes do crime ocorrido em Brumadinho (MG), no final de janeiro, o vídeo incluiu uma mensagem final em que se solidariza com as vítimas e se compromete a seguir as mobilizações dos atingidos pelo Brasil.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Idoneidade do presidente do Iema é questionada em CPI das Licenças

Alaimar Fiuza trabalhou na Vale por 30 anos. Secretário da Seama também foi convocado, mas não compareceu

Nove barragens de rejeitos da Vale podem atingir o ES em caso de rompimento

Das 32 represas interditadas em Minas Gerais, nove estão na bacia do Rio Doce

Os palhaços do Ri(s)o Doce

Expedição dos Palhaços Sem Fronteiras trabalha riso como forma de regeneração em comunidades atingidas

Ministro anuncia possível apadrinhamento de sete parques nacionais pela Vale

Caparaó é um dos parques que pode ser gerido pela Vale numa negociação de multa pelo crime de Brumadinho