Desmonte da Petrobras pode reduzir valor dos royalties no Espírito Santo

Para Sindicato dos Petroleiros, entrega da empresa para a iniciativa privada deixa legado negativo

O processo de venda da Petrobras para a iniciativa privada pode trazer reflexos negativos para o Espírito Santo. É possível, por exemplo, que o Estado tenha redução no valor dos royalties, segundo avaliação do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro-ES). Até o momento, já foram vendidas a BR Distribuidora e a TAG. Além disso, o governo federal realizará, no dia seis de novembro, um leilão para retirar a empresa de parte da área de exploração do pré-sal.

De acordo com a diretora da entidade, Priscila Patrício, essa entrega da empresa para a iniciativa privada pode deixar um legado negativo para o Estado. Segundo ela, o cálculo de pagamento dos royalties leva em consideração o valor do barril de petróleo e o custo de produção. Quanto maior esse custo, menor o valor dos royalties. “Normalmente o custo de produção das empresas privadas é maior. O governo fala em privatizar plataforma de pré-sal, mas passando para as mãos da iniciativa privada, possivelmente o custo de produção do barril vai ser maior e, consequentemente, os royalties irão reduzir”, explica. 

Outra mudança que pode trazer impactos negativos é o fato de a equipe de geologia passar a focar suas pesquisas somente no pré-sal. Essa equipe, segundo Priscila, tem como uma de suas funções fazer mapeamento de campos de petróleo. “Com a equipe centrada somente no pré-sal, se torna inviável fazer mais descobertas petrolíferas, gerar novos projetos, aumentar arrecadação principalmente no norte do Espírito Santo, que tem muito petróleo em terra”, diz a diretora do Sindipetro. 

Ela destaca, ainda, os riscos que a venda da TAG, subsidiária proprietária dos gasodutos que percorrem o Espírito Santo, pode causar. “A Transpetro ainda faz a operação da TAG. Ela vai cumprir esse papel durante três anos. Passado esse período, quem vai assumir essa função? A Transpetro tem uma equipe qualificada para isso. A gente tem que levar em consideração que gás natural é explosivo e esses gasodutos passam por diversos locais”, alerta Priscila. 

Já foi anunciada a venda de 27 campos de petróleo do norte capixaba. O Sindipetro ES ingressou com ação popular para impedir a entrega desses campos para a iniciativa privada. A ação popular foi protocolada no dia 18 de setembro junto à Justiça Federal do Estado do Espírito Santo contra a Petrobras, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) e a União Federal.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

'A entrega do pré-sal é um prejuízo gigante para o Brasil'

Valnísio Hoffmann, do Sindicato dos Petroleiros no Espírito Santo, fala sobre a privatização da Petrobras

Petroleiros comunicam greve por tempo indeterminado a partir deste sábado

Categoria acionou o MPT nessa quinta para mediação do conflito com a Petrobras, mas ainda sem negociação

Relatório do governo federal mascara descumprimento de recomendações da ONU

Para militantes, ministério de Damares Alves atua para eliminar conquistas dos movimentos sociais

Com websérie, sindicato lembra luta dos petroleiros no Espírito Santo

O Sindipetro-ES comemora 30 anos em 2019 em meio às ameaças de precarização e privatização no setor