Artistas preparam 'Moqueca de Palhaço' em Vitória

Roda de conversa, oficinas, filme, cortejo e espetáculos são parte do evento de 10 a 15 de dezembro

"Moqueca de Palhaço" foi o nome escolhido para marcar o festival que começa na próxima semana em Vitória reunindo mais de 10 grupos de rua, dos palcos ou do circo. O Centro de Vitória vai ser a "panela de barro" para misturar vários ingredientes de arte, cultura, diversão e crítica social. A programação começa na próxima terça-feira (10), quando é comemorado o Dia do Palhaço, e vai até o domingo (15), contando com oficinas, roda de conversa, espetáculos, cortejo de rua e festa.

A iniciativa é do grupo Lacarta Circo Teatro junto ao Centro Flutuante, que de forma independente articulam o evento com apoio e participação de vários grupos e palhaços, desde aqueles que trabalham no teatro de rua até os que participam de circos de lona. Entre os objetivos do festival está propiciar esse encontro entre vários artistas que habitam o território capixaba para fortalecer o intercâmbio cultural e também as reivindicações da categoria.

Segundo Amora Gasparini, uma das organizadoras, a Moqueca de Palhaço busca contribuir tanto para a formação de público, atraindo a população para assistir espetáculos e se aproximar da linguagem da palhaçaria, como para a formação dos próprios palhaços, sejam eles iniciantes ou experientes, já que não basta colocar um nariz vermelho, a construção do palhaço de cada um é um processo longo e complexo.

A abertura na terça-feira será com uma roda de conversa para articulação da Rede Capixaba de Palhaços. As oficinas que acontecem nos dias seguintes terão como temas: Quedas e Cascatas; Figurino; e Butoh, o Corpo em Crise. Na noite de sexta-feira, a Rua Sete de Setembro receberá a apresentação do Gala 7, um cabaré de gala para adultos. O próprio uso da palavra cabaré, que por vezes é entendida de forma pejorativa, é vista como um nome a ser desmistificado, já que em essência significa um variété, espetáculo com diversos números curtos.

Por isso acontecem também dentro da programação a quinta edição do Cabaré Flutuante no sábado e o Cabaré Guananira, infantil e gratuito, que será na manhã de domingo no Parque Moscoso. O fechamento do evento no dia 15 será com a Festa LAR - Latino América Resiste, que contará com músicos do Brasil, Chile, Argentina e Venezuela

.

Amora considera que o momento político do país torna ainda mais relevante a ação dos palhaços, vistos para além do entretenimento como personagens de transgressão, já que historicamente e em sua essência trazem o espírito da crítica social, usando elementos como ironia, fantasia e sátira. "O palhaço é a voz do povo dentro da política e das discussões sociais. É diferente quando se chama a atenção das pessoas de forma mais leve, tirando sarro, falando do que está acontecendo na nossa sociedade. Há uma distância muito curta entre palhaço e público, conseguem falar sobre coisas muito íntimas, profundas, que as pessoas não conseguiriam conversar com ninguém", considera.

Carlitos Cachoeira, que integra o grupo Lacarta, considera que é importante formar uma rede de palhaços e artistas circenses para que se possa desde discutir a dramaturgia e a participação feminina até pensar as questões de trabalho, como a restrição às manifestações artísticas nas ruas. Palhaço, artista circense e músico, ele encontra dificuldades de se apresentar por exemplo tocando instrumentos por conta da fiscalização, além de ser proibido "passar o chapéu" em parques públicos, já que a legislação enquadra mesmo apresentações artísticas que possam pedir contribuições voluntários como uma forma de "comércio". O uso de fogo ou facas e outros artefatos que podem fazer parte dos espetáculos e da cenografia também é proibido. "O artista acaba coagido a não se apresentar", afirma.

É justamente retomar as ruas e incentivar os artistas a ocupá-las um dos sentidos de existência do Lacarta e da Moqueca de Palhaço. "É possível trabalhar na rua e viver de chapéu, é digno. Mas as políticas públicas também são importantes para fomentar as atividades culturais", diz o palhaço.

AGENDA CULTURAL

Festival “Moqueca de Palhaço” 

Quando: de 10 a 15 de dezembro (terça-feira a domingo)

Onde: Vários locais no Centro de Vitória/ES

Programação

Terça-feira (10/12)

14h: Roda de Conversa – Rede Capixaba de Palhaços (gratuito)

Quarta-feira (11/12)

10h: Oficina – Quedas e Cascatas (R$ 10)

20h: Exibição de Filme - Cine Clown (gratuito)

Quinta-feira (12/12)

9h: Oficina – Figurino (R$ 20)

15h: Oficina – Butoh, o Corpo em Crise (R$ 10)

Sexta-feira (13/12)

9h: Oficina – Figurino

20h: Espetáculo – Gala 7 (gratuito)

Sábado (14/12)

11h: Cortejo Capixaba (gratuito)

20h: Espetáculo – Cabaré Flutuante (R$ 10)

Domingo (15/12)

11h: Espetáculo – Cabaré Guananira (gratuito)

17h: Festa de Encerramento: LAR Latino América Resiste (R$ 5)

Locais:

Oficinas: Centro flutuante – Rua Coutinho Mascarenhas, 55, Centro, Vitória.

Gala 7: Rua Sete de Setembro, S/N, Centro, Vitória.

Cabaré Guananira: Parque Moscoso, S/N, Centro, Vitória.

Cabaré Flutuante: Rua Coutinho Mascarenhas, 55, Centro, Vitória.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Coletivo Levante da Cultura se organiza no Espírito Santo

Na coluna: trailer de inabitáveis, blog do Grijó, lançamentos Laja Records, restauração do Homero Massena

Projeto realiza tour pela história negra de Vitória

Rota turística Vitória Preta realiza segunda edição no dia 25 de janeiro no Centro da cidade

Bloco Afro Kizomba comemora aniversário e se prepara para o carnaval

Evento neste sábado (18) marca dois anos do bloco que discute a questão racial nas festas

Defensores receberam mais de 100 denúncias de imóveis abandonados no Centro

Levantamento foi realizado em 2019 em parceria com a Associação de Moradores do Centro de Vitória