Ana Martins Marques na poesia contemporânea

Uma consciência poética bem trabalhada e madura

Ana Martins Marques é uma poeta brasileira da cepa atual, e que vem de publicações bem sucedidas como A Vida Submarina (2009), e aí veio Da Arte das Armadilhas (2011), livro que venceu o prêmio Biblioteca Nacional de Literatura na categoria poesia. E aqui venho falar de O Livro das Semelhanças, que, por sua vez, foi lançado em 2015.

O seu livro de estreia, A Vida Submarina, tem um volume um pouco maior de poemas, pois soma um total de 110, todos de curta duração, uma lauda na média, e dividido em sete seções: Barcos de Papel, Arquitetura de Interiores, A Outra Noite, Episteme & Epiderme, Exercícios para a Noite e o Dia, Caderno de Caligrafia, e a última seção, A vida Submarina.

As temáticas de Ana em A Vida Submarina já nos aparecem que são a viagem e os mapas, a casa, o cotidiano, e o tema da própria poesia, que vai produzir um conteúdo de metapoesia. E, em um retorno ao lirismo de certa poesia contemporânea, depois de um distanciamento a partir da geração marginal dos anos 1970, temos este lirismo também presente na produção poética de Ana Martins Marques. Aqui, no entanto, já temos um lirismo herdado dos anos 1980 em diante, uma versão mais sóbria, a lírica entendida aqui como a manifestação subjetiva, depois de um desaparecimento deste sujeito durante boa parte da poesia do século XX.

Por sua vez, o estatuto do eu poético sofreu mutações diversas desde sua versão arrebatada e extática vinda do Romantismo, este sujeito exaltado que desaparece no Simbolismo e depois nas Vanguardas. E as versões aguadas, de uma subjetivação nauseante do Romantismo se tornou algo deslocado e datado. E na versão do sujeito na poesia contemporânea, por sua vez, neste retorno ao eu lírico, aqui se trata de uma versão que não cai em tentações melodramáticas ou de aflições de um sujeito sentimental no sentido de um transbordamento adjetivado ou exclamativo.

Portanto, a lírica contemporânea não é dada aos arroubos sentimentais de afetação romântica, aqui temos uma sobriedade de um sujeito que atua de modo discreto, a experiência do sujeito com o mundo, nesta versão de um lirismo contemporâneo, portanto, tem um modus operandi muito mais sutil do que as obviedades de um sujeito exaltado que parece o tempo todo colapsar através de sentimentos excessivos.

O lirismo contemporâneo usa uma subjetividade que mal se identifica, o eu lírico aqui tem um diálogo com o mundo com termos sóbrios de um observador atento, que conhece a vida cotidiana em suas exigências, e que, por conseguinte, se coloca em um lugar de entendimento direto, a subjetividade do poeta aqui tem uma certa veia mundana, observa, e quando sente, não cai em afetação ou numa versão forçada de aflições. O lirismo contemporâneo, por fim, ganha uma plasticidade comum que se aproxima da realidade vivida pelo leitor.

A dicção poética de Ana Martins Marques mantém este lirismo novo em seus livros posteriores. No livro Da Arte das Armadilhas, temos uma obra menor que seu debut, e que nos apresenta duas partes denominadas, a primeira, Interiores, e a outra, da Arte das Armadilhas, a primeira parte com dezessete poemas e a segunda parte com trinta e nove poemas. Aqui os temas de contraste entre o dentro e o fora são, por sua vez, os temas da casa e da viagem. E neste contraste, na jornada de Odisseu, temos Penélope, como o lugar familiar da casa, e Circe, a feiticeira, no tema da distância e da viagem.

Já em O Livro das Semelhanças, temos um exercício bem interessante de metapoesia, e que dialoga e até introjeta várias influências poéticas, com a permanência dos temas do dentro e do fora. Aqui o tema de contraste é da própria estrutura do livro, portanto, a experiência metapoética aqui vai mais longe, temos sobretudo, em O Livro das Semelhanças, a experiência do livro.

Posso dizer, sem ter dúvidas, que como poeta, quando li este livro, tive a sensação de ter lido um dos livros de poemas mais bem pensados e organizados que já li, um leitmotiv de uma premeditação que juntou fragmentos em uma lógica única, como um grande bloco monolítico, a minha sensação é de ter feito um trajeto coerente, e que não se trata de uma premeditação estudada, no sentido pejorativo do termo, mas sim do produto acabado de uma consciência poética bem trabalhada e madura, e que aqui se chama tanto O Livro das Semelhanças, como a própria poeta Ana Martins Marques.

A temática do livro já começa em O Livro das Semelhanças, num sentido literal, com elementos tipográficos, com poemas com títulos como capa, título, dedicatória, e logo em seguida um poema intitulado Ideias para um livro, reforçando esta experiência do livro, para além da metapoética em si, um metalivro, se assim posso dizer, soando meio ridículo. E logo temos, depois desta introdução insólita, a primeira parte do livro, seção denominada Livro, que tem 20 poemas. E temos, em seguida, mais três seções, intituladas Cartografias, Visitas ao lugar-comum e o O Livro das Semelhanças. Partes estas que somam mais 49 poemas. E os temas-valise da poesia de Ana Martins Marques também aparecem em O Livro das Semelhanças, que são o mar, o mapa, com temas gregos e mitológicos também.

O LIVRO DAS SEMELHANÇAS

POEMAS 

IDEIAS PARA UM LIVRO: Ana Martins Marques nos dá a experiência do livro, no que segue : “Uma antologia de poemas escritos/por personagens de romance”. A imagem da antologia, e que vem insólita, poemas escritos por personagens de romance, um livro feito pela ficção, de um poema aqui imaginário, e segue a poeta : “Uma antologia de poemas—epitáfios”. Metapoesia em metalivro, a experiência insólita de estar fora ou vendo a estrutura do poema e do livro do lado de fora, desdobramento radical, mas que aqui, e isto é muito doido, se trata de um poema, e o estamos lendo, no que segue : “Uma antologia de poemas que citem/o nome dos poetas que os escreveram”. Citação, os livros, antologia e livro, cabedal que se dá em um único poema, um mundo literário concentrado na imagem deste livro de antologias, de poetas citados, um mundo vasto comprimido neste poema todo, tudo em um, no que segue : “Um livro de poemas/que sejam ideias para livros de poemas”. Segue aqui o poema numa metapoética insólita, a experiência desdobrada da poeta aqui é insana, reunião de ideias para um livro, e vem a coda, nos dar o próprio livro que lemos, O Livro das Semelhanças, no que temos, por fim : “Este livro de poemas”.

PARTE I – LIVRO 

PRIMEIRO POEMA: O poema fala do poema, metapoesia, no que temos : “O primeiro verso é o mais difícil/o leitor está à porta/não sabe ainda se entra/ou só espia/se se lança ao livro/ou finalmente encara/o dia”. E aí, quando o poema convida o leitor, temos a imagem do dia, que nos leva ao cotidiano, no que vem : "o dia : contas a pagar/correspondência atrasada/congestionamentos/xícaras sujas”. E a poeta é bem simples em sua estrofe final, num estribilho que conclui sem mais, tranquilizando o leitor : “aqui ao menos não encontrarás,/leitor,/xícaras sujas”.

SEGUNDO POEMA: O segundo poema desenvolve o primeiro, no que segue : “Agora supostamente é mais fácil/o pior já passou; já começamos/basta manter a máquina girando/pregar os olhos do leitor na página”. O poema vem para manter a atenção do leitor, um certo sentido de alerta nos dá o trabalho próprio do poeta para com o leitor, no que segue : “arrastando consigo/a embarcação que é este livro/torcendo pra que ele não o deixe”. O trabalho do poeta aqui se trata, portanto, de um exercício com o estado de atenção do leitor, e poderíamos dizer também, como não, de sedução, no que temos : “pra isso só contamos com palavras/estas mesmas que usamos todo dia”. Eis o ponto, a poeta diz, são palavras, no que segue : “escada que depois deitamos fora/aqui elas são tudo o que nos resta/e só com elas contamos agora”. O poema (e também o poeta) aqui sabe que pode descartar as palavras, se deita fora coisas inúmeras sem parar neste trabalho incessante, mas é com as palavras que o poeta sempre conta.

O ENCONTRO: Este poema interessante nos convida ao encontro, no que segue : “Combinamos de nos encontrar num livro”. O Livro das Semelhanças aqui com o tema do livro, sim, este livro, o livro do livro, a experiência literária aqui como a experiência do livro, aqui em sentido desdobrado, um metalivro, para usar um termo estrambótico, mas foi o que encontrei, mas, contudo, temos uma sequência formidável, no que segue : “combinamos de nos encontrar num mapa/depois da terceira dobra/entre as manchas de umidade/e a cidade circulada de azul”. O tema do mapa, estendendo o tema do livro para a visão do mundo, e o mundo que vira carta, o tema que vai encontrar no poema a visão, enfim, do cotidiano, no que temos : “combinamos de nos encontrar/na primeira carta/entre a frase estúpida em que reclamo da falta de dinheiro/e a única palavra escrita à mão” (...) “combinamos de nos encontrar/no jornal do dia, em algum lugar/entre os acidentes de automóveis/e as taxas de câmbio”. E o poema, então, na sua coda, faz a poeta dar o ponto de chegada da jornada deste poema, nos encontramos, ao fim, neste poema : “combinamos de nos encontrar/neste poema”.

NÃO SEI FAZER POEMAS SOBRE GATOS: O poema, inspirado na gatografia de Ana Cristina César, tem o nome da poeta inscrito, no que temos : “Não sei gatografia./Ana Cristina César”. E o poema, na tentativa falha de simular a experiência de Ana C. com a sua gatografia, é um desastre, o gato, ágil, escapa do poema, e as palavras fogem, Ana Martins Marques se diz incapaz de capturar o gato, e o poema vem : “Não sei fazer poemas sobre gatos/se tento logo fogem/furtivas/as palavras” (...) “não capturam do gato”. O poema segue seu caminho em demonstrar uma experiência falha, e a poeta, toda humilde, dá a coda, eis seu poema sobre gatos : “a folha recém-impressa/página branca com manchas negras :/eis o meu poema sobre gatos”.

BOA IDEIA PARA UM POEMA: O poema em sua experiência de metapoesia, vem : “Anotei uma frase num caderno/encontrei-a algum tempo depois/pareceu-me uma boa ideia para um poema/escrevi-o rapidamente”. A ideia aqui entra em conflito com sua originalidade, a poeta não se lembra de ter anotado isto de outro poema, ela parece lembrar que é uma citação, e seu poema entra em parafuso, no que segue : “logo depois me ocorreu que a frase anotada no caderno/parecia uma citação/pensei me lembrar que a copiara de um poema”. E a poeta pensa, se a frase lhe tivesse escapado da memória de que era uma cópia então esta frase seria dela ou não, uma pergunta insólita feita num poema de complexidade e desdobramento insanos, no que segue : “pensei : se eu não tivesse me lembrado de que a/frase não era minha/ela seria minha?/pensei : se eu me lembrasse onde li todas as frases/que escrevi/alguma seria minha?”. A poeta se aprofunda nesta pergunta nuclear, e pensa em se livrar do poema, fica em dúvida, também, se o poema é bom, e segue : “pensei : é um plágio se ninguém nota?/pensei : devo livrar-me do poema?/pensei : é um poema tão bom assim?”. A coda é de uma esperteza visceral, que conclui, de modo direto : “pensei : nem era um poema tão bom assim”.

POEMAS REUNIDOS: A poeta aqui nos brinda com versos bem humorados, tudo bem interessante, no que segue : “Sempre gostei dos livros/chamados poemas reunidos/pela ideia de festa ou de quermesse/como se os poemas se encontrassem”. Os poemas se reúnem, vivos, as imagens aqui se sucedem, numa enxurrada, se tratando da reunião dos poemas, no que segue : “como ex-colegas de colégio” (...) “como combatentes/numa arena/galos de briga” (...) “como ministros de estado/numa cúpula/ou escolares em excursão/como amantes secretos/num quarto de hotel/às seis da tarde”. Sinto, contudo, que a enumeração se torna excessiva, a criatividade da poeta aqui vira uma repetição enfadonha, um poema que começa interessante cai numa tentação meio tartamuda, o resultado poderia ter sido tão interessante quanto a sua abertura sensacional, mas ao fim a dicção gagueja.

POEMAS 

IDEIAS PARA UM LIVRO

I

Uma antologia de poemas escritos

por personagens de romance

II

Uma antologia de poemas-

-epitáfios

III

Uma antologia de poemas que citem

o nome dos poetas que os escreveram

IV

Uma antologia de poemas

que atendam às condições II e III

V

Um livro de poemas

que sejam ideias para livros de poemas

VI

Este livro

de poemas

PARTE I – LIVRO

PRIMEIRO POEMA

O primeiro verso é o mais difícil

o leitor está à porta

não sabe ainda se entra

ou só espia

se se lança ao livro

ou finalmente encara

o dia

 

o dia : contas a pagar

correspondência atrasada

congestionamentos

xícaras sujas

 

aqui ao menos não encontrarás,

leitor,

xícaras sujas

 

SEGUNDO POEMA

Para Paulo Henriques Britto

Agora supostamente é mais fácil

o pior já passou; já começamos

basta manter a máquina girando

pregar os olhos do leitor na página

 

como botões numa camisa ou um peixe

preso ao anzol, arrastando consigo

a embarcação que é este livro

torcendo pra que ele não o deixe

 

pra isso só contamos com palavras

estas mesmas que usamos todo dia

como uma mesa um prego uma bacia

 

escada que depois deitamos fora

aqui elas são tudo o que nos resta

e só com elas contamos agora

 

O ENCONTRO

Combinamos de nos encontrar num livro

na página 20, linhas 12 e 13, ali onde se diz que

privar-se de alguma coisa

também tem seu perfume e sua energia

 

combinamos de nos encontrar num mapa

depois da terceira dobra

entre as manchas de umidade

e a cidade circulada de azul

 

combinamos de nos encontrar

na primeira carta

entre a frase estúpida em que reclamo da falta de dinheiro

 

e a única palavra escrita à mão

 

combinamos de nos encontrar

no jornal do dia, em algum lugar

entre os acidentes de automóveis

e as taxas de câmbio

 

combinamos de nos encontrar

neste poema, na última palavra

da segunda linha

da segunda estrofe de baixo para cima

 

NÃO SEI FAZER POEMAS SOBRE GATOS

Não sei gatografia.

Ana Cristina César

 

Não sei fazer poemas sobre gatos

se tento logo fogem

furtivas

as palavras

soltam-se ou

saltam

não capturam do gato

nem a cauda

sobre a mesa

quieta e quente

a folha recém-impressa

página branca com manchas negras :

eis o meu poema sobre gatos

 

BOA IDEIA PARA UM POEMA

Anotei uma frase num caderno

encontrei-a algum tempo depois

pareceu-me uma boa ideia para um poema

escrevi-o rapidamente

o que é raro

logo depois me ocorreu que a frase anotada no caderno

 

parecia uma citação

pensei me lembrar que a copiara de um poema

pensei me lembrar que lera o poema numa revista

procurei em todas as revistas

são muitas

não encontrei

pensei : se eu não tivesse me lembrado de que a

frase não era minha

 

ela seria minha?

pensei : se eu me lembrasse onde li todas as frases

que escrevi

 

alguma seria minha?

pensei : é um plágio se ninguém nota?

pensei : devo livrar-me do poema?

pensei : é um poema tão bom assim?

pensei : palavras trocam de pele, tanto roubei por

[amor, em quantos e quantos livros já li

histórias sobre nós dois

pensei : nem era um poema tão bom assim

 

POEMAS REUNIDOS

Sempre gostei dos livros

chamados poemas reunidos

pela ideia de festa ou de quermesse

como se os poemas se encontrassem

como parentes distantes

um pouco entediados

em volta de uma mesa

como ex-colegas de colégio

como amigas antigas para jogar cartas

como combatentes

numa arena

galos de briga

cavalos de corrida ou

boxeadores num ringue

como ministros de estado

numa cúpula

ou escolares em excursão

como amantes secretos

num quarto de hotel

às seis da tarde

enquanto sem alegria apagam-se as flores do papel

de parede

Link recomendado: Prêmio Oceanos: 'O livro das semelhanças', de Ana Martins Marques


Gustavo Bastos, filósofo e escritor.
Blog
: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

 

Foto capa: Rodrigo Valente/UFMG

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.