Ação contra aprovação da PEC pode derrubar reforma da Previdência

Acordo rompido, o governador Renato Casagrande e Erick Musso assumem cenários políticos opostos

A reforma da Previdência estadual aprovada na Assembleia Legislativa em regime de urgência, semana passada, poderá ser derrubada, no entendimento de especialistas consultados por Século Diário. Isso ocorrerá caso a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-ES) obtenha êxito na ação pública apresentada nessa terça-feira (3) que pede a anulação da reeleição, com 14 meses de antecedência, do presidente da Assembleia, Erick Musso (Republicanos). 

Os três projetos foram aprovados em tempo recorde, motivando protestos de deputados e servidores públicos. Os advogados ligados a sindicatos de trabalhadores, que estranharam o fato de a OAB só pedir a anulação da reeleição da Mesa Diretora, pretendem acionar a Justiça nesta quarta-feira (4), a fim de anular, também, a  aprovação da reforma da Previdência, considerando que ela ocorreu na mesma situação de irregularidade. 

A reeleição do presidente da Assembleia, em chapa única, estendendo o seu mandato até 2023, causou surpresa no cenário político e provocou o rompimento do acordo entre Erick Musso e o governador Renato Casagrande (PSB), que esperava a reeleição da atual Mesa só em meados de 2020. Musso adiantou o processo a fim de garantir sua permanência no cargo, temendo a formação de grupos adversários, principalmente ligados ao deputado Fabrício Gandini (Cidadania) e, por extensão, ao prefeito de Vitória, Luciano Rezende, do mesmo partido. 

Com fraco desempenho no seu primeiro mandato, o deputado não conseguiu, até agora, fazer crescer sua candidatura à Prefeitura de Vitória nas eleições de 2020, segundo levantamentos para consumo interno realizados por partidos políticos. Os números mostram o deputado Amaro Neto (Republicanos) na dianteira, à frente do deputado estadual Sergio Majeski (PSB). Sem condições de avançar na candidatura, Gandini seria lançado à Presidência da Assembleia em 2020, com o apoio do forças contrárias a Erick, que, por sua vez, vislumbra uma disputa ao Palácio Anchieta ou ao Senado em 2022. 

Os advogados especialistas apontam que a votação dos projetos de emenda constitucional (PEC 27/2019, que altera as aposentadorias, e PEC 28/2019, da eleição da Mesa Diretora) só foi possível porque passou pela análise de uma comissão especial, formada às pressas unicamente com esse objetivo, com o mesmo relator, deputado Marcelo Santos (PDT), do grupo de Erick, o que impediu um debate mais transparente das matérias e sinaliza irregularidade na tramitação no Legislativo.  

A comissão especial foi presidida pelo deputado Vandinho Leite (PSDB), com  Marcelo Santos como relator, e teve como membros efetivos os deputados Marcelo Santos (PDT), Rafael Favatto (Patri), Janete de Sá (PMN) e Alexandre Xambinho (Rede). Como suplentes Iriny Lopes (PT), Marcos Mansur (PSDB), Enivaldo dos Anjos (PSD), Alexandre Quintino (PSL) e Hudson Leal (Republicanos). 

A realização de sessões seguidas, desde o último dia 25, quando a tramitação das PECs foi iniciada no Legislativo, algumas com duração de minutos, provocou protestos e resultou na destituição do então líder do governo, deputado Enivaldo dos Anjos (PDT), que na última terça-feira (3) revelou pressões por sua atuação na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Máfia dos Guinchos e nas investigações sobre crimes cometidos pela Vale e BHP no crime da Samarco.

Os parlamentares aprovaram em segundo turno a PEC 28/2019, que permite antecipação da data da eleição da Mesa Diretora, por 24 votos favoráveis à medida e apenas cinco contrários

Foram eleitos, para serem empossados em 2021 o atual presidente, Erick Musso (Republicanos), Marcelo Santos (PDT) como 1° vice-presidente; Torino Marques (PSL), 2° vice-presidente; Adilson Espindula (PTB), 1° secretário; Freitas (PSB), 2° secretário; Marcos Garcia (PV), 3° secretário; e Janete de Sá (PMN), 4° secretário. 

Os seguintes deputados votaram contra a chapa: Fabrício Gandini (Cidadania), Iriny Lopes (PT), Luciano Machado (PV), Dary Pagung (PSB) e Sergio Majeski (PSB). O deputado Theodorico Ferraço (DEM) não votou.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Movimento Negro contesta 17% de cotas para negros em concursos estaduais 

Para militantes, parâmetro deve ser lei federal que estipula, no mínimo, 20% de reserva para negros 

Erick Musso encerra 2019 com articulações para manter seu grupo político

Presidente da Assembleia teria quebrado acordo com o governador Renato Casagrande

Dono da caneta

Retaliação de Erick Musso a deputados é só mais uma prova de que seus discursos não passam de figuração

Frente Unificada de Policiais reage às falas do governador sobre reajuste

Renato Casagrande afirmou que já se reuniu com frente e acena reajuste apenas para base da PM em 2020