Filosofia como condição humana

A possibilidade de questionar ainda é nossa melhor ocupação enquanto seres pensantes.

Hoje começaremos nossas reflexões filosóficas a partir da própria Filosofia. 

A Filosofia em si, traz sempre a quebra de paradigmas como ferramenta da construção do saber. Um dos seus mais importantes pilares, a Teoria do Conhecimento ou Gnosiologia, questiona, inclusive, se podemos conhecer, com pelo menos cinco visões: dogmatismo, ceticismo, subjetivismo e relativismo, pragmatismo e criticismo e, se admitindo possível conhecer, questiona ainda qual a sua origem? A própria razão ou a experiência? Tomando por base (Johannes Hessen – Teoria do Conhecimento). 

Nosso exercício de hoje será questionar a própria Filosofia. O autoexame. Será que fundamentados em nossa cultura ocidental, podemos considerar sua data de nascimento? - final do século VII e início do século VI antes de Cristo - seu local de nascimento? - Colônias gregas da Ásia Menor, na cidade de Mileto e, mais ainda, tendo um pai? - Tales de Mileto.

Bem, ao bom entendimento da filosofia como “o amor ao saber”, “a inquietação”, “o espanto”, “o ultrapassar a opinião irrefletida do senso comum, se libertar da realidade empírica e das aparências sensíveis” e tantas outras similares definições, em que eu me atreveria a afirma-la, de forma pragmática, como a capacidade humana de compreender a si e as coisas do mundo, protagonizar sua vida e a construção do seu próprio mundo na possibilidade de construir\alcançar sua felicidade. 

Gosto da ideia de que a filosofia nasceu com o nascimento do homo sapiens. Até mesmo para os criacionistas, quando foi criado o primeiro homem – Adão - e lhe foi oferecido a vida eterna, a saúde eterna, alegria eterna, etc., etc., desde que ele não comesse do fruto do conhecimento e ele preferiu comer o fruto. 

Assim, seja com a possibilidade ou não e, sabendo ou não como acontece, o homem é o filósofo, buscador, inconformado. Naturalmente uns mais, outros menos, mas todos, de alguma forma e com alguma intensidade, estamos nessa caminhada ao conhecimento.

A filosofia é inerente à inquietude humana, a essa nossa necessidade de compreensão, de assimilação, de aceitação das coisas, do funcionamento da vida, dos fatos, acasos, etc. e que, melhor, termina por abrir cada vez mais perguntas e dúvidas, diante de tanta limitação. Não conseguimos conhecer, dominar, não temos controle de nossas vidas e estamos sempre a mercê de forças que desconhecemos como o acaso, os acidentes e as necessidades. 

Mesmo a considerar a atual “dona da verdade” a ciência, sabemos que esta é limitada a essa nossa capacidade de conhecimento, que a todo momento é colocada em cheque, seja nos milagres tão comuns na medicina, no macro ou micro cosmo que não alcançamos, nas respostas da natureza à nossa observação e na ilusão dos nossos sentidos. 

Contudo ainda é aí que identificamos toda a sua beleza, de não trazer respostas e nem segurança, mas dúvida, inquietação e necessidade de busca.  

Filosofia é vida e, vida inteligente... Só com Filosofia.
 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para manter ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.