PL que garante porte de armas a agentes socioeducativos segue para o plenário

Comissão de Finanças da Assembleia, presidida por Euclério Sampaio, aprovou a proposta nesta segunda

A Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa (Ales), presidida pelo deputado Euclério Sampaio (sem partido), aprovou nesta segunda-feira (21) o Projeto de Lei Complementar (PLC) 38/2019, do deputado Delegado Lorenzo Pazolini (sem partido), que garante prerrogativas aos agentes penitenciários e de segurança socioeducativos, como o porte de arma de fogo e documento de identificação de validade nacional. A proposta, já aprovada também nos colegiados de Justiça e Segurança, segue agora para análise em Plenário.

O PLC também dá prioridade aos agentes nos serviços de transporte, saúde e comunicação públicos e privados, quando em cumprimento de missão, e de direito à prisão especial até o trânsito em julgado de sentença e, em qualquer situação, separado dos demais presos. Quando não existir estabelecimento específico para o preso especial, os agentes serão recolhidos em dependência distinta no mesmo estabelecimento.

Euclério, que relatou a matéria na comissão, lembrou que a reivindicação da categoria é antiga, alegando “dar segurança ao trabalho". O mesmo defende Pazolini, ao dizer que as prerrogativas "pretendem resgatar a dignidade e garantir a tranquilidade não só dos agentes e seguranças socioeducativos, mas também de suas famílias". 

A questão, porém, é polêmica e criticada por militantes dos Direitos Humanos no Estado, que não consideram o agente socioeducativo como força pública de segurança, além de ressaltarem que a socioeducação não se faz com repressão, uso desproporcional da força e aparatos bélicos, o que estimula a prática da violência. O Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases) atende adolescentes de 12 a 17 anos e jovens de 18 a 21 anos. 

Desde setembro último, os agentes socioeducativos estão em mobilização na Assembleia pela aprovação do projeto, com participações em reuniões e presenças na galeria do plenário. A constitucionalidade da matéria foi aprovada em parecer assinado pelo procurador geral da Assembleia, Rafael Henrique Guimarães Teixeira Freitas. 

A Comissão de Finanças é presidida por Euclério e tem Enivaldo dos Anjos (PSD) como vice-presidente; e José Esmeraldo (MDB), Gandini (Cidadania), Alexandre Xambinho (Rede), Rafael Favatto (Patri) e Marcos Garcia (PV) como membros efetivos. Luciano Machado (PV), Janete de Sá (PMN), Pastor Marcos Mansur (PSDB), Freitas (PSB) e Carlos Von (Avante) são suplentes.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Psol questiona lei que permite porte de arma para agentes socioeducativos

STF analisa matéria que pode gerar jurisprudência e impedir projeto em tramitação na Assembleia

Jogo de forças

Se a rasteira de Erick pegou o governo, Casagrande tem que reagir. Quem, de fato, controla o plenário?

Marcos Do Val sofre derrota na CCJ em votação sobre o decreto de armas

Projetos que sustam a medida seguem agora para o plenário, onde serão votados na próxima terça-feira

Marcos Do Val cita pesquisa de 2005 para defender decreto de armas de Bolsonaro

Relator de projetos contra a medida, senador argumentou que não há violação ao Estatuto do Desarmamento