Petroleiros suspendem greve que começaria neste sábado no Estado

Nesta sexta, o TST sinalizou aceitar pontos reivindicados pela categoria na negociação com a Petrobras

Os petroleiros suspenderam a greve por tempo indeterminado que iria começar a partir deste sábado (26) em todo o Brasil. A decisão foi confirmada pelo Sindicato dos Petroleiros do Espírito Santo (Sindipetro-ES) na tarde desta sexta-feira. Segundo a diretora da entidade, Priscila Patrício, o Tribunal Superior do Trabalho (TST) afirmou que serão aceitos quatro dos seis pontos pedidos pelos trabalhadores no Acordo Coletivo com a Petrobras.

Ela afirmou ainda que serão feitas assembleias em todo o Brasil até o dia primeiro de abril para decidir se a categoria deve ou não aceitar a proposta do TST. No Espírito Santo as votações acontecerão em diversos municípios onde há base da Petrobras. As assembleias começam também neste sábado, nas cidades de Aracruz, Vitória, Anchieta e Linhares.

A diretora afirma que o indicativo do sindicato é para aceitação da proposta do TST, mas que se a Petrobras não concordar, as mobilizações para a greve devem prosseguir. 

Nessa quinta-feira (24), com o comunicado oficial de greve já publicado, a Federação Única dos Petroleiros (FUP), afirmando "mais um esforço para resolver o impasse do Acordo Coletivo dos Trabalhadores do Sistema Petrobras", encaminhou ao procurador-geral do Trabalho, Alberto Bastos Balazeiro, pedido de mediação de conflito. No documento, a Federação requereu do Ministério Público do Trabalho "a promoção de entendimentos bilaterais, entre a Petrobras e as entidades sindicais de seus empregados, com vistas à superação do impasse negocial".

A FUP elenca os pontos encaminhados ao TST no dia 26 de setembro para melhoria da proposta apresentada no dia 19 de setembro, após reuniões unilaterias de mediação, realizadas a pedido da Petrobras. A empresa "se recusou a estabelecer qualquer forma de diálogo com os representantes dos trabalhadores", como é ressaltado no documento enviado à Procuradoria Geral do Trabalho.

Em assembleias realizadas nas últimas semanas, os petroleiros rejeitaram a proposta de acordo apresentada pelo TST e aprovaram a greve por tempo indeterminado, a partir do dia 26 de outubro. A categoria afirma que a gestão da Petrobras retirou diversas cláusulas do acordo, propôs reajuste salarial de apenas 70% da inflação e quer aumentar a assistência médica dos petroleiros em mais de 17%.  A empresa também está fechando e privatizando unidades em todo o país, o que ameaça postos de trabalho por meio de diversos planos de demissão.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Agentes dão crédito ao governo e adiam para fevereiro decisão sobre greve

Profissionais do sistema prisional aguardarão se governo enviará projeto de escalas especiais em 2020

Arena da greve

Se Nylton e Assumção disputarem em Vitória, mesmo, movimento da PM de 2017 será transportado para 2020

Petroleiros denunciam que redução da Petrobras pode atingir sede de Vitória

Categoria também programa greve após anúncio de fechamento da sede de São Mateus

Trabalhadores da Codesa entram em greve nesta quinta-feira

Principais reivindicações são assinatura do Acordo Coletivo e a manutenção empregos após a privatização