TST julga dissídio coletivo dos Correios e aprova reajuste de 3%

Decisão da corte superior ocorre após paralisação da categoria em todo o País, incluindo no Estado  

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou, nessa quarta-feira (2), o dissídio coletivo ingressado pelos Correios em setembro. Entre as conclusões, a Corte definiu sobre o reajuste salarial e dos benefícios em 3% e a manutenção da maioria das cláusulas vigentes dos acordos coletivos anteriores, entre elas as que se referem ao vale alimentação/refeição, vale cultura e adicional de férias. No entanto, pais e mães dos trabalhadores não terão mais direito ao plano de saúde.

Trabalhadores dos Correios em todo o país realizaram uma paralisação de oito dias, entre 10 e 18 do mês passado. A suspensão do movimento ocorreu em função do julgamento do do dissídio coletivo. A decisão por paralisar as atividades também foi acolhida pela categoria no Espírito Santo. 

Durante os dias de greve, mobilização dos trabalhadores capixabas resultou em diversos piquetes e atos públicos, organizados pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos do Espírito Santo (Sintec-ES), que usou como estratégia o diálogo com a população para discutir a importância da ECT como uma empresa pública.

“Está longe do que gostaríamos e perdemos um direito histórico, que eram os pais e mães no plano de saúde", pontou em nota o Sindicato. A retirada de direitos, segundo a entidade, é um reflexo da política entreguista do Governo Bolsonaro, que impediu que as negociações ocorressem de maneira respeitosa e transparente e levou os trabalhadores à greve. "No entanto, o enfrentamento e a capacidade de mobilização da categoria mostraram que vamos continuar nos organizando para lutar contra a privatização”, afirmou.

A categoria reivindicava reajuste salarial de 3,25%, manutenção de benefícios como a permanência de pais e mães no plano de saúde e coparticipação, além de continuidade de percentual de férias e vales alimentação e refeição. Os trabalhadores também criticam o projeto de privatização defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) para “baratear os processos” e os salários pagos pelos Correios, "o pior entre todas as estatais”.

A empresa afirmou que vai cumprir integralmente a decisão do TST, mas alega viver delicada situação financeira, que já acumula um prejuízo de aproximadamente R$ 3 bilhões.

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

MST ocupa área da Suzano (Fibria-Aracruz) em Pinheiros

Na luta pela reforma agrária, movimento quer que áreas de monocultivo de eucalipto produzam alimentos

Trabalho comunitário reverteu estigmas e criou Território do Bem

União de bairros periféricos de Vitória virou referência em planejamento e ações coletivas

Diversas etnias se unem pela regeneração do Rio Doce no Encontro Ancestral

Evento acontece de 1 a 3 de novembro na comunidade de Areal e está com inscrições abertas

Pescadores capixabas levam denúncias a entidades de sete países

Intercâmbio da Campanha Nem Um Poço a Mais na Bahia apontou impactos da exploração de petróleo