Sindicato monta barraca nas ruas para dialogar sobre reforma da Previdência

Iniciativa do Sindibancários teve início na Praça Costa Pereira atingindo mil pessoas no primeiro dia

“Simule aqui sua aposentadoria”, diz um dos cartazes pendurados junto a uma barraquinha na Praça Costa Pereira, no Centro de Vitória, em ação iniciada nesta terça-feira (9) pelo Sindicato dos Bancários do Espírito Santo (Sindibancários-ES). Utilizando uma calculadora desenvolvida pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), é possível que os transeuntes possam conferir ali mesmo o impacto da reforma da Previdência proposta pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL) em suas vidas e seu futuro.


Foto: Sergio Cardoso

A proposta tramita no Congresso Nacional e tem sido repercutida de forma favorável ou pouco crítica pelos grandes meios de comunicação. Daí a estratégia do Sindibancários e da Intersindical em abrir espaços para dialogar diretamente com o povo nas ruas, para mostrar os problemas e impactos negativos para os trabalhadores caso haja aprovação da reforma. “A estratégia de montar as barraquinhas já vem acontecendo em vários lugares do país e resolvemos implementar aqui também. É uma possibilidade de discutir com as pessoas no tête-à-tête, para além das redes sociais”, diz Thiago Duda, diretor de Cultura do sindicato, que participou da ação.

A barraca estará instalada até sexta-feira, de 9h às 18h, na Praça Costa Pereira. Além da calculadora do Dieese, é coletado assinaturas para um abaixo-assinado conjunto de diversas centrais sindicais contra a reforma, além de distribuído panfletos com mais informações e também sobre o posicionamento dos deputados federais capixabas sobre a proposta.


Foto: Sergio Cardoso

No primeiro dia de atividades, a ação acabou sendo interrompida no meio da tarde pela chuva registrada em Vitória. Nesse tempo, Thiago estima que mais de mil pessoas foram atingidas pela movimentação na barraquinha, entre os que pararam para conversar e tirar dúvidas e os que receberam panfletos com informações. Foram coletadas cerca de 150 assinaturas no abaixo-assinado. A atividade continuará nas semanas seguintes, sendo que o Sindibancários vai avaliar se manterá a barraca no mesmo local ou mudará para outro espaço. A intenção é ampliar as ações para outras localidades e também a partir de outros sindicatos capixabas e das centrais sindicais.

A julgar pelo resultado da Praça Costa Pereira, onde há uma grande variedade de pessoas, desde as classes mais empobrecidas até as de melhor condição financeira, Thiago considera que é possível ter esperança em barrar a reforma.

“Com mais ou menos informações, as pessoas sabem que há um projeto tramitando. A população está preocupada e não é difícil fazer entender que a reforma é prejudicial, pois em 100% dos casos as pessoas vão trabalhar mais e ganhar menos. Além disso, tentamos explicitar os interesses por trás da entrega dos recursos públicos para os bancos pelo sistema de capitalização. As pessoas também entendem a importância da Previdência ser um fundo solidário em que alguns contribuem para suprir quem não pode contribuir, ao contrário da capitalização, em que é cada um por si”, afirmou o dirigente sindical.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

O que vem depois da greve geral?

Dirigentes avaliam positivamente resultado da greve, mas articulação com parlamentares pode ser decisiva

O que pensam os manifestantes do 30M?

Pesquisa da Ufes mostra quem são e quais as opiniões dos que foram às ruas contra cortes na Educação

Deputado que defende reforma da Previdência entra na aposentadoria especial

O deputado Evair de Melo é favorável à reforma, mas defende o diálogo com a população

Servidores públicos estaduais farão ato por reposição de perdas com inflação

Ação será em frente à Assembleia Legislativa, exigindo que governo estadual cumpra direito constitucional