Semana Sem Petróleo prepara sua terceira edição no Espírito Santo

Pessoas ou grupos podem propor atividades para evento que acontece de 11 a 16 de novembro

Foi dada a arrancada para a realização da terceira edição da Semana Sem Petróleo, evento organizado por coletivos e entidades sociais com o objetivo de denunciar os impactos da extração petroleira e seus usos abusivos. O primeiro passo é a abertura de inscrições para quem quiser propor atividades para serem agregadas à programação oficial, o que pode ser feito por um formulário online até dia 30 de setembro. A data de realização da Semana Sem Petróleo em 2019 será entre 11 e 16 de novembro.

Entre as propostas que podem ser enviadas estão debates, oficinas, rodas de conversa, apresentações artísticas e culturais e outras que tenham como foco os impactos socioambientais do petróleo e derivados e possíveis alternativas a seu uso. Podem ser inscritas atividades realizadas por pessoas ou grupos, independente de serem formais ou não. No formulário é preciso enviar os dados da atividade e necessidades e custos para realização da mesma, que podem ser cobertos pela organização do evento.


Foto: Rosane Miliotti/Fase

No mesmo documento é possível inscrever-se também para a II Feira Livre de Petróleo, que acontece durante a Semana Sem Petróleo com a apresentação e comercialização de produtos e tecnologias alternativos ao petróleo, plástico e derivados.

Criada em 2017, a Semana Sem Petróleo realiza edições anuais em que busca tanto a denúncia como a proposta de alternativas para o que chama de uma “sociedade petrodependente” e faz parte da Campanha Nem Um Poço a Mais, que defende de forma pioneira no país um freio à expansão petroleira.

O tema ganha relevância no Espírito Santo, pois o Estado tem alternado entre o segundo e terceiro maior extrator de petróleo e gás no Brasil. As buscas em território capixaba por campos petrolíferos economicamente viáveis começaram no fim dos anos 1950 na região norte, onde até hoje os poços e a logística do petróleo impactam sobre comunidades tradicionais como quilombolas, indígenas, camponeses e pescadores. A expansão mais recente se dá a partir da descoberta de óleo na camada pré-sal, no litoral sul do Estado, onde a exploração offshore também impacta na vida das comunidades pesqueiras direta ou indiretamente.

Leia a seguir o chamado publicado pela coordenação do evento:

“Dependência química? do petróleo?

Cuidado! A petrodependência mata! E os ministérios não advertem!

A dependência do petróleo se alastra como uma epidemia social.

Para os deslocamentos, dependemos do diesel e da gasolina. Para vestir, das fibras sintéticas. Para cozinhar, do gás. Para comer e beber, dos pratos, canudos e copos de plástico. Para cultivar, dependemos dos agrotóxicos. Para a higiene, dependemos de shampoos e cosméticos com petrolatos. Para ensacar o lixo, limpar com a esponja, para embalar a água e as frutas, para sentar à mesa, haja plástico! Não é nada fácil pensarmos algum verbo de nossas ações cotidianas que não dependa do petróleo e de seus derivados. Na cegueira do vício da petrodependência, o petróleo é como uma condição, sem a qual a própria vida não parece possível.

Quando se aprofunda a petrodependência, e a cada vez que aumenta a demanda por petróleo e gás, a indústria petroleira se expande! Sem consulta prévia e a toque de caixa, perfura novos poços, contamina mais áreas, polui mais águas, devasta mais territórios, em terra e no mar. Nas cidades, engarrafa os trânsitos e entopem os lixões. Nas comunidades, destrói os modos de vida e de trabalho, de povos tradicionais quilombolas, indígenas, camponeses, e da pesca artesanal.

A petrodependência precisa ser tratada! A expansão da indústria petroleira precisa ser detida!

Venha para a III Semana Sem Petróleo. Venha refletir sobre nossos níveis de dependência, identificar os usos abusivos e desnecessários. Há alternativas, caminhos de transição e sobretudo possibilidades de redução gradual do uso de petróleo e de seus derivados no cotidiano.

Despetrolize-se! Venha participar da Semana sem Petróleo!”

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

‘Não vejo como fazer contenção', diz pesquisador

Armadilhas de sedimentos instaladas em Abrolhos monitoram petróleo que avança em direção ao Espírito Santo

Ativismos alimentares são tema de evento em Vitória

Iniciativas cidadãs e de movimentos sociais debatem com poder público nesta quinta-feira no Maes

'Não existe exploração petroleira segura'

Coordenador da Fase-ES relaciona derramamento no Nordeste com impactos do petróleo no Espírito Santo

STF julga improcedente ação contra distribuição de royalties a municípios

Governador do ES alegava que caberia apenas aos estados decidir as formas de aplicação dos recursos