Secretário da Fazenda anuncia elevação de 13% nas receitas, mas pede cautela

O secretário Rogélio Pegoretti destacou a situação de recessão econômica do país e a oscilação do dólar

Seguindo o mesmo tom do governador Renato Casagrande (PSB) adotado desde o início da atual gestão, o secretário de Estado da Fazenda, Rogélio Pegoretti, usou e abusou das palavras alerta e cautela na prestação de contas apresentada nesta segunda-feira (12) relativa aos seis primeiros meses do governo. A audiência pública foi promovida pela Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa.

Os cuidados são maiores, segundo Pegoretti, quando se tem um cenário internacional de incertezas e o País passando por recessão técnica, alertou em sua exposição, apesar do otimismo, considerando que neste primeiro semestre as receitas tiveram um acréscimo de 13% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Isso se deve ao crescimento da receita tributária e da transferência de contas. As despesas aumentaram em 6,27%.  

Entretanto, ressalvou que o crescimento da receita dos royalties do petróleo ocorre em função da alta do dólar, e, por ser flutuante, pode cair e diminuir a receita. Caso o dólar se mantenha no patamar atual, a projeção para 2019 é de R$ 1,83 bilhão de royalties. No início de 2018, essa receita era de R$ 1 bilhão.

“Primeiro, estamos com um cenário internacional realmente não muito bom, e o País se encontra com o Produto Interno Bruto (PIB) negativo, o que se chama de recessão. Não vamos deixar as despesas correntes crescer mais que a inflação”, explicou.

Pegoretti informou que os compromissos com a saúde, educação e segurança estão dentro dos limites estabelecidos, enquanto os aportes com a Previdência vão continuar crescendo e aumentando seu déficit.

As despesas com pessoal, considerando os limites, hoje, segundo o secretário da Fazenda, chegam a 45,89%, ultrapassando o limite de alerta que é de 44,1%, mas menor que o chamado “limite prudencial” de 46,5%, o qual, quando ultrapassado, o Estado é obrigado a tomar medidas de contenção.

O secretário afirmou que o governo não pode ultrapassar 49% da Receita Corrente Líquida (RCL), que são as receitas tributárias, reunindo as contribuições fiscais, patrimoniais, industriais, agropecuárias e de serviços. É o que determina a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) - Lei Complementar 101/2000. Os royalties do petróleo não podem ser utilizados com despesas de pessoal.

Apesar desse  cenário, o secretário é otimista, apostando na capacidade do Estado, lembrando que desde 2012 o Espírito Santo é nota “A” em gestão fiscal, e as criações recentes dos fundos Soberano e de Infraestrutura. 

A prestação de contas atende ao previsto no artigo 9º da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A lei determina que o Poder Executivo preste contas à Assembleia ao final dos meses de maio, setembro e fevereiro. Neste ano, como o governo atrasou em sua prestação, ele mesmo propôs que o período de apresentação fosse estendido para seis meses.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Antes de ser desarticulado, órgão de prevenção à tortura fez recomendações ao ES

Relatório do Mecanismo de Prevenção à Tortura denuncia superlotação e pede medidas de desinternação

Agentes da Polícia Civil pedem na Justiça equiparação ao cargo de investigador

Justiça capixaba tem dado ganho de causa aos servidores, que reivindicam reestruturação interna 

Moradores da Piedade expulsos pelo tráfico ainda aguardam aluguel social 

Prefeitura de Vitória e Governo ainda não fizeram os pagamentos, pois recorrem de decisão judicial  

Governo abre negociação sobre recomposição inflacionária de servidores

Após meses de reivindicação, o secretário Álvaro Duboc se comprometeu a analisar proposta do funcionalismo