Plano antigo

Quem viu a facilidade com que a Assembleia acatou projeto de Eder, quase até esqueceu da polêmica de 2015

Quem viu a facilidade com que o plenário da Assembleia Legislativa acatou o projeto do procurador-geral de Justiça, Eder Pontes, que cria, em apenas uma tacada, 307 cargos comissionados na estrutura do Ministério Público Estadual (MPES), quase até esqueceu da polêmica gerada por proposta semelhante no passado e que só fez Eder desistir por “livre e espontânea pressão”. As críticas na época (2015) foram registradas não só internamente como gerou divergências públicas entre Eder e o ex-governador Paulo Hartung, que apontava o momento de plena crise econômica inoportuno para elevar gastos, e ainda com a própria Assembleia, num chumbo trocado sobre cargos comissionados nos dois poderes. E olha que, naquele tempo, o projeto de Eder era mais modesto: 216 cargos. Passada a fase de ânimos exaltados, o procurador-geral de Justiça se entendeu com Hartung e recuou na proposta, deixando-a guardada durante toda gestão passada da aliada, Elda Spedo. Mas bastou iniciar sua campanha eleitoral, que o fez retornar ao cargo em 2018, para ressuscitar o plano antigo, desta vez, mais incrementado. Inchou o número para 307, provocou reações dos servidores efetivos, porém, encontrou um clima pra lá de favorável tanto na Assembleia como no executivo, sinalizado pelo pedido de urgência do líder do governo, Enivaldo dos Anjos (PSD), junto com o bolo de projetos aprovados a toque de caixa sempre que se aproxima um recesso parlamentar. Afinal, a quem interessa tanta pressa e tanto cargo de livre indicação num órgão como o MPES?

Reações
Embora vendido como a última maravilha do mundo por Eder,  a proposta tem sido chamado nos bastidores como o “maior projeto de apadrinhamento da Justiça capixaba e de desmonte do órgão ministerial”.

Reações II
Em outras palavras, como bem definido pelo deputado estadual Sergio Majeski (PSB), o único a discursar contra a proposta na sessão desta terça-feira, “vai ser uma festa”.

Gatos pingados
Os outros quatro deputados que votaram contra não fizeram barulho: Capitão Assumção, Torino Marques e Danilo Bahiense, do PSL, e Iriny Lopes (PT). Apenas.

Enquanto isso...
Janete de Sá (PMN), ao relatar a matéria na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), não se contentou em defender a proposta. Estendeu tapete vermelho para Eder Pontes, “um homem sério, assim como o MPES”. Para Janete, a criação dos cargos comissionados é “uma atitude corajosa”. Sem comentários...

Decisão final
A peteca, agora, está na mão do governador Renato Casagrande. A conferir!

Pacotão
A propósito, na manhã desta quarta-feira (17), última sessão antes do recesso, a previsão é a mesma: nada de debate, aprovação de tudo e mais um pouco, e muitos atropelos.

Valor ao passe
Em campo para delimitar seu projeto de poder, o presidente da Assembleia, Erick Musso (PRB), exibiu na sessão desta terça o primeiro de cinco vídeos de campanha institucional que levanta a bola do legislativo estadual. Nos holofotes, o próprio!

Point petista
O comitê Lula Livre do Centro de Vitória realiza uma festa julina nesta sexta-feira (19), às 17 horas, na chamada “Praça Vermelha”, anexa à Costa Pereira. Os organizadores afirmam que a renda será revertida para a campanha em favor da liberdade do ex-presidente e a compra de um retroprojetor para atividades em comunidades e de formação. Será que vinga?

PENSAMENTO:
“Foge por um instante do homem irado, mas foge sempre do hipócrita”. Confúcio

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

De novo, a OAB

Ainda dá tempo de os deputados partirem pra cima do MPES-Eder como fazem agora com a OAB de Rizk...

Já demorou...

Para além do absurdo protagonizado por Assumção, muito interessa a posição do MPES-Eder Pontes

STF mantém prisão de empresário condenado no caso 'Seguro da Assembleia'

João de Sá Netto foi preso em 2018, no mesmo escândalo que condenou José Carlos Gratz e Valci Ferreira

‘Papelão’

Fora Enivaldo e Iriny, que se posicionaram no caso Majeski-Eder, os outros 27 deputados, que vergonha...