Pedido de vistas adia recurso de ex-presidente da Câmara da Serra no TJES

Neidia Maura foi afastada acusada de crime de peculato e contratação de servidores fantasmas

Por pedido de vistas do desembargador Pedro Val Feu Rosa, foi suspenso nessa quinta-feira (4) o julgamento no Tribunal de Justiça (TJES) do recurso que visa suspender o afastamento do cargo da ex-presidente da Câmara de Vereadores da Serra, Neidia Maura Pimentel, eleita pelo PSD. 

O relator do processo, desembargador Sérgio Luiz Teixeira Gama, presidente do Tribunal, negou o pedido em seu parecer. Ele alega que, além de todos os fundamentos já contidos na decisão de primeiro grau, o pedido não pretende atender a interesses da coletividade, mas, exclusivamente o retorno da recorrente ao exercício de suas funções públicas, ou seja, “a medida visa tutelar interesses pessoais”.

O relator também afirma que a legislação prevê, como requisito autorizador à concessão da suspensão de liminar, que a decisão importe em grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia pública. Gama destacou, ainda, que a medida suspensiva é cabível apenas em ações de natureza cível, não podendo ser utilizada em ações de natureza penal.

Neidia Maura foi denunciada por crime de peculato e contratação de servidores fantasmas, em janeiro deste ano, gerando um processo tumultuado, com protestos de vereadores, agressões e ameaças. Os trabalhos no legislativo municipal chegaram a ser suspensos por vários dias, provocando protestos de moradores e empresários.   

O efeito suspensivo já havia sido negado pelo presidente do TJES, em decisão monocrática proferida no mês de junho. Nesa quinta-feira, o recurso foi submetido ao Tribunal Pleno.

A decisão de afastar a parlamentar do cargo de vereadora e presidente da Câmara Municipal da Serra foi proferida, em medida cautelar, pela juíza da 2ª Vara Criminal da Serra, Letícia Maia Saúde, na ação penal número 0001828-58.2018.8.08.0048, na qual a requerente foi denunciada pelo Ministério Público Estadual, por prática de “rachid” e existência de funcionários fantasmas.

Segundo o MPES, esses crimes teriam contado com a participação direta de um braço direito da vereadora e ocupante de um cargo na Câmara, Flávio Serri, que também foi denunciado na ação pena. 

De acordo com a defesa da parlamentar afastada, a decisão cautelar seria ilegal e traria prejuízos à ordem pública.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Audifax Barcelos responde na Justiça denúncia de crime contra a honra

O prefeito da Serra disse, publicamente, que uma organização criminosa funcionava na Câmara de Vereadores

Antes de ser desarticulado, órgão de prevenção à tortura fez recomendações ao ES

Relatório do Mecanismo de Prevenção à Tortura denuncia superlotação e pede medidas de desinternação

Tribunal de Justiça alerta credores de precatórios sobre golpe

Beneficiários receberam ligações fraudulentas exigindo pagamento de taxas para liberação do dinheiro

Tribunal de Justiça abre inscrições para lista tríplice do TRE-ES

Vaga é relativa à classe dos juristas, em substituição ao Rodrigo Júdice