Obras restauradas de Orlando Bomfim Netto serão exibidas no Metrópolis

Cineasta foi um dos primeiros a retratar a cultura popular do Espírito Santo por meio do cinema

Algumas joias que fazem parte da história da cinematografia capixaba serão relançadas nesta sexta-feira (26) no Cine Metrópolis após passarem por um processo de restauração e digitalização. Trata-se do projeto Acervo Capixaba Orlando Bomfim, netto, que digitaliza e torna mais acessíveis sete produções do cineasta pioneiro no retrato cultura popular do Espírito Santo.

A história e cultura dos migrantes italianos em Santa Teresa, a celebração do Ticumbi em Conceição da Barra, a dramática história da Vila de Itaúnas encoberta pelas areias, a celebração indígena de Reis Magos em Nova Almeida, o extraordinário cientista Augusto Ruschi, o mestre de Jongo Pedro Aurora. Essas são as histórias que poderão ser conferidas na sessão especial de lançamento das obras restauradas por meio de projeto idealizado e coordenado por Marcos Valério Guimarães, com apoio e execução da Pique Bandeira Filmes e recursos do governo estadual por meio do Funcultura.


“No período das décadas de 70 para 80 não havia uma filmografia constante no cinema capixaba. Orlando era um dos que estava filmando nesse momento e sua produção foi muito exibida pelo movimento cineclubista, serviu como instrumento de luta e de afirmação dessa cultura capixaba”, diz Marcos Valério.

As obras digitalizadas foram produzidas entre os anos de 1975 e 1985 e trazem histórias que permanecem, que se modificaram e que se perderam, mas que fazem parte do Espírito Santo. Tem origem num período ao mesmo tempo frutífero para o cinema nacional, mas também duro por conta do enfrentamento com a ditadura - que atinge especialmente Orlando Bomfim Netto, cujo pai, militante comunista, foi um dos desaparecidos políticos durante o regime civil-militar que governou o país. São produções feitas de forma independente e que foram premiadas e participaram de importantes festivais a nível nacional e até internacional.

O projeto digitalizou o material em 35mm e 16mm que se encontrava no Arquivo Nacional no Rio de Janeiro e também em propriedade do diretor. Algumas obras que se encontravam mais degradadas passaram por restauração digital parcial, outras foram apenas digitalizadas, recebendo tratamento de cor e som.

A carreira de documentarista de Orlando Bomfim Netto, nascido em Belo Horizonte mas de família de Santa Teresa, começa quando ouviu falar sobre o centenário da migração italiana, que teve esta cidade como primeira receptora de imigrantes de forma organizada. Orlando, que morava no Rio de Janeiro e trabalhava na RF Farias, uma das mais importantes produtoras audiovisuais da época, estranhou que o material de uma revista mencionava diversos estados, mas não o Espírito Santo. Daí surgiu Tutti tutti buona gente, propriamente buona (1975), quando voltou à terra de sua família paterna para buscar e retratar a herança italiana e como os moradores viam este centenário na região de Santa Teresa.

Foi o passaporte para que Orlando, que trabalhava numa produtora focada em ficção, entrasse de cabeça no que chama de “documentário de raiz”, aqueles que mergulham na alma popular. A partir do primeiro filme conheceu o folclorista Hermógenes da Fonseca, que junto com o jornalista Rogério Medeiros o ajudaram a conhecer a riqueza cultural e natural do norte capixaba, palco de outras de suas obras de grande valor histórico e cinematográfico.

Além dos seis curta-metragens que serão exibidas no Cine Metrópolis (confira as sinopses ao final da reportagem), também foi digitalizado dentro do projeto Acervo Capixaba o média-metragem O Bondinho de Santa Tereza (1978), filmado no Rio de Janeiro. Todas elas ainda farão parte junto com outras três produções mais recentes do diretor da Mostra Imagens para a Liberdade: Retrospectiva Orlando Bonfim, netto, que acontece de 22 a 28 de novembro no Cine Sesc Glória, no Centro de Vitória.

Há ainda dois filmes de Bonfim Netto que estão perdidos, pois não se possuem cópias localizadas: As Paneleiras do Barro (1983), sobre as paneleiras de Goiabeiras, e Inferno na Ilha, sobre o bairro de São Pedro, em Vitória.

Com o selo Acervo Capixaba, a Pique-Bandeira Filmes pretende dar continuidade com digitalização de outros arquivos de grandes nomes do cinema do Estado. “Pensamos num programa permanente para buscar esses filmes que muitas vezes ouvimos falar, que são importantes na história do cinema produzido no Espírito Santo, mas não se encontram disponíveis ou com cópias em circulação”, disse Vitor Graize, um dos sócios da produtora.

AGENDA CULTURAL

Lançamento do acervo filmográfico digitalizado de Orlando Bomfim Netto

Quando: Sexta-feira, 26 de junho, 19h

Onde: Cine Metrópolis, no Campus da Ufes em Goiabeiras, Vitória/ES

Filmes digitalizados que serão exibidos:

“Tutti tutti buona gente, propriamente buona”

(35mm, 1976, cor, 26’)

Sinopse: A colonização italiana no Espírito Santo, que em 1975 completa cem anos, é abordada do ponto de vista dos habitantes da cidade de Santa Teresa, o mais forte e representativo núcleo de imigração do estado.

Itaúnas: Desastre Ecológico

(35mm, 1979, cor, 9’)

Sinopse: O desmatamento irracional em Itaúnas, norte do Espírito Santo, provoca o deslocamento das areias que invadem a antiga vila. Em 1968, a região torna-se inabitável, produzindo um exemplo atual de desastre ecológico.

Mestre Pedro de Aurora, prá ficar menos custoso

(35mm, 1978, cor, 11’)

Sinopse: Documentário sobre o último tirador de jongo de raiz, líder dos cantadores e festeiros da região da Vila de Santana, em Conceição da Barra, Espírito Santo.

Canto para a liberdade – A Festa do Ticumbi

(35mm, 1978, cor, 20’)

Sinopse: Documentário sobre o Ticumbi, manifestação cultural realizada pela comunidade negra em Conceição da Barra, Norte do Espírito Santo. Sobre os seus intérpretes e a relação com a realidade, o misticismo, a fantasia e a herança cultural.

Augusto Ruschi Guaianumbi

(35mm, 1979, cor, 12’)

Sinopse: O documentário enfoca estudos científicos do pesquisador Augusto Ruschi na preservação da natureza, incluindo os beija-flores e orquídeas.

Dos Reis Magos dos Tupiniquins

(35mm, 1985, cor, 10’)

Sinopse: Os movimentos culturais na Vila de Nova Almeida e a restauração do altar-mor da Igreja dos Reis Magos são panos de fundo para uma síntese da história do Brasil.

Filme digitalizado que não será exibido:

O Bondinho de Santa Tereza

(16mm, 1978, cor, 28’)

Sinopse: Através de imagens documentais, fotografias antigas e entrevistas, o realizador apresenta o bondinho de Santa Tereza, não só como meio de transporte original e elemento turístico, mas também como parcela importante da história da cidade do Rio de Janeiro.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Em busca da Capitania Perdida

Liderado por Bernadette Lyra, grupo de artistas viaja para encontrar história esquecida do Espírito Santo

Rock in Doce fará tributo musical ao Rio Doce em Baixo Guandu

Coluna CulturArte: Dead Fish será atração de festival, edital da Secult, cinema brasileiro em cartaz

No Território do Bem, feijoada vai ajudar a financiar projetos comunitários

Grupo Leq Samba é uma das atrações do evento que envolve nove bairros em apoio a iniciativas sociais

Com material reciclado, peça de bonecos alerta para preservação dos mares

Espetáculo 'Jubarte - Uma Aventura Oceânica' será apresentado no Cine Teatro Ribalta, em Jardim Camburi