Nova exposição de Caio Cruz aborda gordofobia

Com dez pinturas, "Gordofóbica" estreia no sábado no Centro Cultural Eliziário Rangel, na Serra

Em sua primeira exposição individual, Mostra-me sua dor (2017), o jovem artista plástico capixaba Caio Cruz retratou em suas pinturas pessoas que vivenciavam momentos difíceis em suas vidas, buscando desconstruir a ideia da arte como representação do "belo". Foi a partir da experiência com uma das modelos desse projeto que surgiu "Gordofóbicas", uma série de 10 obras em grandes dimensões que estamparão a partir do próximo sábado (20), a Galeria de Arte Benedita Torreão, localizada no Centro Cultural Eliziário Rangel, na Serra.

Uma das modelos, conta, vivia um conflito com seu corpo, provocado pelo contato com um mundo externo que não aceita corpos que não atendam aos padrões estabelecidos a partir de passarelas ou academias de ginástica.

"A dor desta modelo me sensibilizou e pensei: precisamos mostrar para as pessoas que a gordofobia causa dor, que é um tipo de preconceito e intolerância que precisam ser superados, pois as 'caixas' impostas pelos padrões de comportamento e aparência são cruéis e nada democráticos, uma vez que cria uma sociedade onde muitos são escravos de padrões inatingíveis de estética, que nem mesmo os mais magros e adeptos as academias conseguem chegar, uma vez que a busca pelo corpo 'perfeito' é uma busca pelo impossível, é o caminho para um abismo", considera o artista. 

O sofrimento atinge então uma maioria que não consegue ou não tem interesse de entrar nessa busca, mas também os que entram e se sentem frustrados, tornando-se escravos dela. "De todo o tecido social, as pessoas gordas são as primeiras a serem vitimizadas e hostilizadas por este comportamento obsessivo e desumano, que é a busca pelo corpo 'perfeito'". 

Utilizando diversas técnicas como óleo sobre tela e graffiti sobre papel, ele pretende que as obras ajudem as pessoas a perceber que o respeito ao corpo alheio, seja ele gordo, magro ou como for, é uma obrigação moral, ética, pois a intolerância motivada pela aparência do corpo alheio é tão grave e imoral quando outras discriminações relacionadas ao gênero, etnia ou orientação sexual.

Caio Cruz considera que a construção de um mundo civilizado deve ser pautada no respeito ao outro e a si mesmo. "Entendo que o respeito ao outro só existe quando aprendemos a nos respeitar e nos valorizar como indivíduos que fazem parte de um coletivo, de um todo. Esse coletivo é a sociedade e ela só funciona se toda a diversidade que a compõe aprender a viver de forma harmoniosa e respeitosa", finaliza o artista.

AGENDA CULTURAL

Exposição Gordofóbica, do artista plástico Caio Cruz

Quando: abertura no sábado (20), às 19h. Em exposição até 20 de novembro. Horário de visitação: segunda-feira a sábado de 8h às 21h; e domingo das 14h às 21h.

Onde: Centro Cultural Eliziário Rangel - Rua Gonçalves Dias, São Diogo I, Serra/ES.

Mais informações: (27) 3051-0835 ou (27) 99830-8813 (Antônio Vitor).


 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Músicos questionam possível diminuição de recurso em edital da Secult

Secretário Fabricio Noronha alega que as conversas são preliminares e que recursos serão mantidos

Livraria que quase virou disk-pizza reabre reunindo editoras capixabas

Jalan Jalan é o novo empreendimento que ocupa lugar da Livraria Dom Quixote na Praia do Canto

Ópera prepara apresentações em Vitória com orquestra totalmente feminina

''A Filha do Regimento'', de Donizetti, será apresentada no Palácio Sônia Cabral pelo grupo Ópera Prima

Novo espaço cultural será inaugurado em setembro no Centro de Vitória

Unindo Bistrô, Ateliê e Hostel, A Oca vai funcionar em imóvel localizado na Escadaria do Rosário