Conceição Evaristo será atração da Feira Literária Capixaba

Estreando a coluna CulturArte, boas novas nos eventos de literatura e más notícias sobre espaços culturais

Flic-ES traz escritora Conceição Evaristo à Vitória

Doutora em Literatura e vencedora do Prêmio Jabuti, Conceição Evaristo está confirmada como uma das participantes da 6ª Feira Literária Capixaba (Flic-ES). No ano passado, ela foi indicada a ocupar uma das cadeiras na Academia Brasileira de Letras (ABL). Com uma espécie de anticandidatura questionadora da falta de representatividade na entidade, acabou recebendo apenas um voto, frustrando as expectativas de muitos em ver a primeira mulher negra ocupar uma cadeira na ABL.

Mulheres fazem história e buscam espaço na literatura

Outra participante da Flic-ES será a escritora e professora Bernadette Lyra, que esbanja simpatia por onde passa em Vitória. Radicada em São Paulo, aos 80 anos está mais próxima de seu querido Espírito Santo, ministrando aulas e cursos na Ufes. O espaço das mulheres não para por aí: a homenageada desta edição da Flic-ES será a jornalista e escritora Judith Leão Castelo Ribeiro, nascida na Serra, que se tornou a primeira deputada estadual eleita no Espírito Santo, cargo que exerceu por quatro mandatos. Foi fundadora e primeira presidente da Academia Feminina de Letras do Espírito Santo.

Itaúnas terá festival de literatura em outubro

Falando em mulheres e literatura no Espírito Santo, outro evento que promete bombar é a Festa da Palavra, organizada por Elisa Lucinda para acontecer em Itaúnas, a famosa vila praiana em Conceição da Barra, norte do Estado. A capital do forró vai abrir alas para a literatura em outubro, num evento que promete ter atrações internacionais, como o aclamado escritor moçambicano Mia Couto.

Centro cultural sofre arrombamento e roubo na Serra

Nem tudo é alegria na cultura. O Centro Cultural Eliziário Rangel, localizado em São Diogo, na Serra, foi assaltado na madrugada dessa sexta-feira (12). Ladrões arrombaram a porta de entrada e levaram televisão, caixa de som, notebook, projetor de vídeo e outros equipamentos usados nas atividades culturais do local, que funciona de forma independente, com recursos próprios.

Único teatro do município mais populoso do Estado

Na mesma semana, o Eliziário anunciou uma campanha de financiamento coletivo para comprar um jogo de luzes para equipar seu teatro, único em atividade no município mais populoso do Estado. Mais do que nunca, o espaço precisa de apoio. “Neste momento convocamos as nossas redes para que as nossas ações culturais não se esfrie, e que continuemos a fazer o que fazemos: transformar afetos para transformar nossa realidade que ainda é marcada por tantas práticas de violência”. Essa foi a mensagem enviada pelas redes sociais do centro cultural.

Casa Subtrópico e OPARQUE vão fechar as portas

Mais notícias tristes. Dois espaços culturais importantes vão fechar as portas no Centro de Vitória: OPARQUE, espaço de criatividade e co-working que funcionou desde 2015 na Rua Sete, e a Casa Subtrópico, na Rua Coutinho Mascarenhas, que realizou sua despedida no Festival Sérgio Sampaio, quando funcionou provisoriamente com o nome de Bar do Auzílio, relembrando o bar favorito do cantor em Cachoeiro. A música autoral feita no Espírito Santo, que vem em efervescência, conquistando cada vez mais o público local e nacional, perde dois espaços importantes que acreditaram e abriram as portas para esses artistas.

O paradoxo da cultura e a valorização do bairro

No caso dos dois locais, os donos pediram de volta os espaços que eram alugados. Também pode ter pesado a reclamação de vizinhos por conta do som. Parece um paradoxo. A cultura ajuda a reavivar os espaços e o bairro. Isso valoriza os imóveis e também gera incômodo para alguns moradores. A Associação de Moradores do Centro (Amacentro) está atenta aos problemas e ativa na busca de soluções. Na quinta-feira, de forma participativa, abriu um fórum para discutir os grandes e médios eventos que acontecem no bairro. O encontro juntou moradores favoráveis e desfavoráveis a esse tipo de evento, comerciantes e representantes do poder público. É só ouvindo todos os lados envolvidos que dá pra encontrar uma síntese que seja satisfatória para a maioria.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Música, companheirismo e uma Kombi quebrada

Há meses em Vitória, Coletivo Luzes toca buscando fundos para consertar carro e seguir viagem pelo Brasil

Cine Teatro Ribalta será inaugurado em maio em Jardim Camburi

Na coluna CulturArte: artistas da Serra pedem políticas para cultura, disco de Ana Muller, e muito mais

'Não somos indígenas só em abril. Somos indígenas nos 365 dias do ano'

Às vésperas do Dia do Índio, guaranis e tupinikim foram convidados na Ufes e no gabinete do governador

Carnaval de Congo de Máscaras divulga programação

Tradicional evento acontece na comunidade de Roda D' Água, interior de Cariacica, no próximo dia 29