Clube de leitura se dedica a apresentar escritores capixabas

Com encontros mensais abertos, o Leia Capixabas contribui para valorizar a produção literária do Estado

Leia Capixabas é o nome do clube de leitura criado este ano buscando valorizar os escritores e as obras escritas no Espírito Santo. Com início em março, o grupo vem realizando encontros sempre no terceiro sábado de cada mês, de 15h às 17h, no Trapiche Gamão, espaço cultural do Centro de Vitória, que se relaciona diretamente com a literatura por abrigar a Editora Cousa.

As reuniões são gratuitas e com participação aberta e uma  atmosfera informal. Sugere-se que cada participante leve um livro de autor capixaba de nascimento ou de coração, dentro do gênero literário definido para o mês. Em março o tema foi conto e em abril, crônica. Para os próximos meses ainda haverá reuniões para apresentar romances, poesias, biografias, dramaturgias e obras infantojuvenis.

Cada um tem um tempo geralmente entre 10 e 15 minutos, dependendo do número de participantes, para apresentar a obra e falar também do autor do texto. Depois o grupo começa um bate-papo na mesa para ampliar o debate. Não é preciso ser especialista em literatura. Nos primeiros encontros já foram pessoas de diferentes formações como História, Medicina, Psicologia, Arquitetura, Direito e estudantes secundaristas.


Foto: Divulgação

“Está dando muito certo. A primeira rodada teve 18 pessoas, a segunda teve 10. Estamos muito animados, nossa divulgação foi apenas por redes sociais, e vemos que as pessoas têm muito interesse em conhecer. É aberto para quem quiser expor obras, mas também para quem quiser vir apenas como ouvinte para conhecer e saber um pouco da literatura de nosso Estado”, diz o escritor Anaximandro Amorim, um dos organizadores.

Entre os livros já apresentados estão autores como Bernadette Lyra, Pedro J Nunes, Francisco Grijó, Claus Zimerer, Marzia Figueira, José Roberto Santos Neves, João Baptista Herkenhoff, Brunella Brunello e também do próprio Anaximandro Nunes, embora não apresentado por ele mesmo.

Isso porque, entre as regrinhas básicas, está vedada a autopromoção, ou seja, o autor apresentar o próprio livro. Outro pedido é para evitar fotocópias de obras sem autorização do autor, buscando valorizar o escritor e apoiar a profissionalização do autor capixaba.

A iniciativa do Leia Capixabas surge a partir de um minicurso realizado no ano passado voltado para a História da Literatura do Espírito Santo, iniciativa do Núcleo de Estudos em Literatura do Espírito Santo da Ufes (Neples), sob coordenação do professor Paulo Sodré. “Alguns participantes do minicurso, não querendo que o grupo acabasse, se reuniram comigo e, então, ficou decidido que faríamos um formato de clube de leitura. Foi daí que nasceu o Leia Capixabas”, conta Anaximandro.

O grupo criou uma página na rede social Instagram para divulgar as informações e resultados dos próximos encontros. A agenda terá seguimento no dia 18 de maio com o tema romance, dia 15 de junho com poesia, 17 de agosto com biografia, 21 de setembro com dramaturgia, e 19 de outubro com literatura infantojuvenil.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
1 Comentários
Matérias Relacionadas

Exposição apresenta ‘psicodelia ancestral’ no Caparaó

Em Patrimônio da Penha, esculturas de seres mágicos feitas com reciclagem compõem a Taberna das Bruxas

Luciano Rezende veta emenda que incluía 'cultura religiosa' na Lei Rubem Braga

Coluna CulturArte: show do Los Hermanos descumpre lei, samba autoral no Bar da Zilda, rumos do audiovisual

Por dentro do Museu dos Monstros em Guarapari

Cenários de filme e monstros horripilantes compõem acervo que conta parte da história do cinema capixaba

Festa vai celebrar cultura africana e afrobrasileira

Big Bat Blues Band é uma das atrações do Sikó, evento gratuito na praça de Bairro República, em Vitória