Centro Cultural Eliziário Rangel faz vaquinha para equipar único teatro da Serra

Funcionando de forma independente, local precisa comprar jogo de luzes cênicas para melhorar apresentações

Há mais de dois anos em atividade e com o único teatro ativo no município da Serra, o Centro Cultural Eliziário Rangel (CCER), localizado no bairro São Diogo, lançou uma campanha de financiamento coletivo buscando arrecadar recursos para a compra de um jogo de luzes para o Teatro Eliziário Rangel, que funciona no segundo andar do espaço.

“O centro cultural não tem apoio do poder público e empresas privadas, se mantém com investimentos próprios e recursos de bilheteria ou oficinas. Fazemos um chamamento mensal para artistas, mas acabamos deixando de receber muitas peças por não ter um jogo de luzes, que custa muito caro”, conta o diretor do espaço Antônio Vitor. O objetivo da campanha Luzes para o Eliziário no site Catarse é arrecadar R$ 40 mil em até 60 dias para adquirir o material necessário.

 

As pessoas ou empresas que contribuírem recebem recompensas a depender do valor da doação, que pode ir de R$ 20 a mais de R$ 5 mil. Entre as recompensar estão ingressos para peças teatrais, camisetas, ecobags e até a apresentação exclusiva de um espetáculo.

Com estreia no dia seguinte à inauguração do Centro Cultural em 2016, o Teatro Eliziário Rangel já recebeu 44 apresentações artísticas, sendo 25 de teatro, nove espetáculos de dança, oito contações de histórias e uma apresentação circense, além de outras atividades como cursos e oficinas também realizadas no espaço.

Entre as motivações para a criação do espaço, Antônio Vitor cita o fato de que a Serra, como município mais populoso do Estado e um dos mais violentos do Brasil, não ter espaços culturais e o único até então que não tinha um teatro. “Isso deixava a gente intrigado. Como seria se a cidade de Serra pudesse ter mais espaços culturais para oferecer à população de um modo geral produtos artísticos? Será que isso mudaria o cenário da vida cotidiana na cidade?”, questionou.

O espaço conta com palco para teatro e outros espetáculos, uma galeria para exposições, um café-bar, uma pequena biblioteca, um beco com obras artísticas, um amplo salão para outras atividades. Cada espaço foi nomeado com o nome de heróis da Insurreição de Queimado, a principal revolta de negros escravizados no município da Serra e no Espírito Santo.

É a primeira vez que o CCER realiza uma campanha de financiamento colaborativo. Para seu diretor, é um momento muito importante para o local. “Tentamos apoios pelas vias públicas e privadas e não conseguimos. Então essa campanha é uma apelo para a galera que usa o espaço, que acredita no centro cultural. Se conseguirmos, vai ser um ato político que coloca o Eliziário em outro patamar, com a galera apostando no espaço, num trabalho que vem sendo feito há quase três anos, vai dar muito gás”.

A campanha vai até o dia 5 de junho e será na modalidade “tudo ou nada”. Se atingir a meta leva o valor, caso contrário, o dinheiro será devolvido aos doadores.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Tunico da Vila lança videoclipe em homenagem à filha falecida, Madalena

Coluna CulturArte: Karol Conka em Vitória, Luz Del Fuego Festival, Lei Rubem Braga, novo espaço no Centro

Exposição fotográfica registra população de rua na paisagem da cidade

Emparede Contemporânea expõe imagens de Rogério Caldeira feitas no Rio de Janeiro e Grande Vitória

Com superbanda, Viradão Vitória vai 'reviver' sucessos do Dia D

Além do momento nostálgico, estão confirmados shows com BaianaSystem, Liniker, Duda Beat e Dead Fish

Campanha denuncia universidade 'em liquidação'

Sintufes, Adufes, DCE e outros grupos criaram a S.O.S. Ufes para alertar sobre impactos do Future-se