Assembleia aprova mudanças na aposentaria por invalidez de policiais civis

Estado passará a conceder o direito a policiais acometidos por doenças graves, contagiosas ou incuráveis

O plenário da Assembleia Legislativa aprovou por unanimidade (23x0), nesta terça-feira (10), alterações nas regras de aposentadoria por invalidez na Polícia Civil. O Projeto de Lei Complementar (PLC) 44/2019 inclui as doenças graves, contagiosas ou incuráveis entre os motivos para requerer o pedido, beneficiando policiais civis aposentados e os que vierem se aposentar com invalidez permanente. A proposta foi considerada a "correção de uma injustiça praticada há anos contra a categoria", que se mobilizou para acompanhar a votação nas galerias da Casa.

Antes de ser acatada pelo Plenário, a proposição recebeu parecer favorável das comissões de Justiça, Cidadania, Segurança e Finanças em reunião conjunta. O projeto, de autoria do Executivo, modifica os artigos 28 a 31 da Lei Estadual 657/2019, que dispõe sobre a promoção dos policiais civis no Espírito Santo. 

Atualmente, o policial civil só pode ser considerado incapaz definitivamente para o exercício de suas funções em decorrência de ferimento recebido em operações, relativas às atividades de polícia civil, ou doença contraída nessa situação, ou que nela tenha sua causa eficiente; e acidente em serviço. 

O projeto relaciona as seguintes doenças graves, contagiosas ou incuráveis: tuberculose ativa, alienação mental, neoplasia maligna, cegueira posterior ao ingresso no serviço público, hanseníase, cardiopatia grave, leucemia, pênfigo foléaceo, doença de Parkinson, paralisia irreversível e incapacitante, esclerose múltipla, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, Mal de Paget e hepatopatia grave, e Aids, aplicando-se ainda, no que couber, os critérios estabelecidos pelo Regime Geral de Previdência Social.

A matéria prevê ainda que o policial civil, julgado incapaz definitivamente, será promovido à categoria imediatamente superior e posicionado na última referência da tabela de subsídio, quando o acidente em serviço ou a doença grave, contagiosa ou incurável o tornar inválido.

De acordo com o governo, a estimativa do impacto orçamentário-financeiro total da aprovação do PLC 44/2019 será de quase R$ 6,7 milhões ao ano. Ainda segundo o governo, a despesa tem adequação orçamentária e financeira à Lei Orçamentária Anual 2019 (LOA 2019) e compatibilidade com a Lei das Diretrizes Orçamentárias (LDO) e com o Plano Plurianual de Aplicações da Polícia Civil do Estado.

A matéria segue, agora, para sanção do governador Renato Casagrande, para que seja efetivada como lei.

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Agentes da Polícia Civil pedem na Justiça equiparação ao cargo de investigador

Justiça capixaba tem dado ganho de causa aos servidores, que reivindicam reestruturação interna 

Teia de interesses

Puxado por Euclério, Assembleia vira festival em defesa de prefeitos. Todo mundo atrás de garantir o seu

Peritos criminais e médicos legistas reivindicam autonomia e reajuste salarial

Tadeu Nicoletti, presidente do Sindiperitos, afirma que insatisfação pode resultar em paralisações

Aposentadoria antecipada

Magno Malta sentiu forte o golpe: não disputará mais eleições. 'Hun'...será?