Arte, psicologia e curanderismo para curar do racismo

Castiel Vitorino inaugura sua primeira exposição individual com a Romaria dos Testículos Femininos

É na encruzilhada entre arte, psicologia e curandeirismo que Castiel Vitorino Brasileiro vem instalando sua obra. Autoidentificada como "bicha preta", foge das concepções binárias de gênero (masculino x feminino), questiona o racismo e o machismo estruturais na construção sociedade brasileira, que objetifica e descarta os corpos negros e LGBTI.

Nesta terça-feira (11), a artista capixaba que vêm expandindo seu trabalho para além das fronteiras do Espírito Santo, realiza sua primeira exposição individual: O Trauma é Brasileiro, que fica até 24 de agosto na Galera Homero Massena, no Centro de Vitória, com visitação gratuita.

O título da obra indica alguns aspectos do que Castiel vem desenvolvendo nos últimos anos. Aluna nos períodos finais de Psicologia, de onde vem a palavra e os estudos sobre "trauma",  encontrou lá não só bases importantes para um pensamento crítico como também muitas ausências. A academia e especificamente a Psicologia eurocêntricas não dão conta de explicar nem de tratar os traumas de uma sociedade colonial como a brasileira, e menos das pessoas e corpos subalternizados, como os negros e LGBTI. Mas como então, diante de tanta violência física e simbólica, essas pessoas sobrevivem?  

Desta questão vem a necessidade de buscar suas próprias origens, no território onde cresceu, na Fonte Grande em Vitória, com suas características de quilombo urbano. "Ao longo da graduação, fui aprendendo que a cura não existe, mas as pessoas racializadas, mesmo sem terem a ajuda da psicologia na promoção de sua saúde, se curam e a afirmam a cura. Elas têm outro referencial de saúde. Com as benzedeiras aprendi que a Cura é uma experiência de saúde perecível e efêmera, que precisa se modificar, assim como nosso corpo", diz a artista.

Ao afirmar que O Trauma é Brasileiro, também permite uma ambiguidade com seu próprio sobrenome, denunciando que a exposição traz uma grande carga de subjetividade desde suas experiência de vida, numa obra embora ainda muito incipiente mas construída com base num diálogo permanente com aquelas e aqueles sofrem as mesmas violências de gênero e raça mas que querem passar da denúncia à cura, sem obviamente deixar de lado a primeira mas pensando em como manter a saúde física e mental diante do rolo compressor capitalista e colonial.

Castiel Vitorino Brasileiro nomeia sua pesquisa em Psicologia como Clínica da Efemeridade, entendendo que os processos de promoção de saúde e prática clínica não são propriedade exclusiva de psicólogos, pois também acontecem a partir de benzedeiras e outros agentes em suas comunidades. É assim que ela propõe fazer de sua exposição não apenas um espaço para visita e fruição da arte, mas também para experiências clínicas, que devem ser agendadas previamente com Castiel. No dia 2 de julho, às 19h, haverá também um bate-papo com a artista.

Falta dizer que o lançamento de O Trauma é Brasileiro no dia 11 começará de forma não-convencional e provocativa - como costuma ser característica da arte. Castiel convida para a Romaria dos Testículos Femininos, às 19h, saindo do Bar da Zilda, reduto de festividade da cultura negra no Centro da cidade, com direção à galeria onde se (de)marca a estreia da exposição.

Num vídeo publicado em suas redes com o título "a heresia é um testículo feminino", ajuda a entender a provocação. Diante de um quadro de sala de aula, ela aponta a nação brasileira como uma triangulação entre cis/heteronormatividade, racismo e cristianismo. "A sobrevivência para nós como subalternizados nesse tempo e espaço colonial, é conseguir produzir um outro espaço nesse território que nos despatrializa. Então esse espaço pode e tem sido construído, pelo menos por mim, numa relação triangular de desobediência, heresia e malandragem. E é nessa integralidade que a bicha, a travesti, surge e consegue sobreviver, nessa relação de negociação".

AGENDA CULTURAL

Abertura da exposição O Trauma É Brasileiro, de Castiel Vitorino Brasileiro

Quando: Terça-feira, 11 de junho. Abertura da galeria às 19h, mesmo horário da saída da Romaria dos Testículos Femininos às 19h30 do Bar da Zilda com direção à exposição. Visitação aberta de 12 de junho até 24 de agosto de 2019 de segunda a sexta-feira, das 9 às 18h, sábado, das 13 às 17h.

Onde: Galeria Homero Massena - Rua Pedro Palácios, nº 99 - Cidade Alta, Centro de Vitória, Vitória - ES

Visita de grupos

Mediante agendamento com a equipe da Galeria Homero Massena - (27) 3132 8395 / educativoghm@gmail.com

Experiências Clínicas

Mediante agendamento com a artista - (27) 997 395 420 / castielvitorinob@gmail.com

Mesa de Conversa com a artista

02 de julho, às 19h

Lançamento do Catálogo da Exposição

23 de julho, às 19h

Site e redes sociais

Blog: otraumaebrasileiro.blogspot.com

Instagram: @castielvitorino

Facebook: @psicotendencia


 

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Músicos questionam possível diminuição de recurso em edital da Secult

Secretário Fabricio Noronha alega que as conversas são preliminares e que recursos serão mantidos

Livraria que quase virou disk-pizza reabre reunindo editoras capixabas

Jalan Jalan é o novo empreendimento que ocupa lugar da Livraria Dom Quixote na Praia do Canto

Ópera prepara apresentações em Vitória com orquestra totalmente feminina

''A Filha do Regimento'', de Donizetti, será apresentada no Palácio Sônia Cabral pelo grupo Ópera Prima

Novo espaço cultural será inaugurado em setembro no Centro de Vitória

Unindo Bistrô, Ateliê e Hostel, A Oca vai funcionar em imóvel localizado na Escadaria do Rosário