Ales cria Frente Parlamentar pela Educação do Campo e Pedagogia da Alternância

Iniciativa de Iriny Lopes, Frente apoiará pautas do Comitê Estadual, como reabertura de escolas fechadas

Na vanguarda da discussão sobre o melhor sistema de ensino para crianças e jovens camponeses, a Assembleia Legislativa (Ales) criou sua Frente Parlamentar em Defesa da Educação do Campo e da Pedagogia da Alternância. 

A iniciativa é da deputada Iriny Lopes (PT) e promete ser um apoio importante às lutas empenhadas pelo Comitê Estadual da Educação do Campo do Espírito Santo (Comeces). “Ter essa Frente pra nos apoiar é muito positivo”, declarou Glorinha Sartori, coordenadora colegiada do Comeces.

Participando do Fórum Nacional de Educação do Campo (Fonec), que aconteceu em Brasília, entre quarta e sexta-feira (10 a 12), Glorinha acredita que a nova Frente será fundamental para regulamentar a Pedagogia da Alternância no Espírito Santo, assim que a mesma for incluída na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB). Atualmente, o projeto de lei do deputado federal Helder Salomão (PT) tramita no Congresso Nacional.

“A aprovação da lei que inclui a Pedagogia da Alternância (PA) na LDB é muito importante porque nós temos como prioridade a expansão da Educação do Campo através da PA pela via pública e isso é um reconhecimento e uma garantia a mais”, explica a coordenadora do Comeces.

Essa expansão se dá, na prática, ao impedir o fechamento de novas escolas do campo e ao conseguir reabrir as que foram fechadas ilegalmente, num universo de centenas que tiveram atividades encerradas nos dois governos de Paulo Hartung e o anterior de Renato Casagrande (PSB).

Outras prioridades do Comitê incluem conseguir que a Secretaria Estadual de Educação (Sedu) organize o funcionamento da Gerência de Educação do Campo e publique as diretrizes operacionais da Educação do Campo no Estado.

No Fonec, Glorinha também soube que tramita no Congresso um projeto que facilita a entrada dos estudantes egressos da Pedagogia da Alternância nos institutos federais e universidades. “Nem sempre eles têm acesso, porque as escolas com Pedagogia da Alternância, mesmo sendo filantrópicas, são consideradas particulares”, explica.

No Fórum Nacional, relata a ativista, as palavras de ordem são “articular, organizar e fortalecer”. “Lutar contra a privatização da escola pública e contra o fechamento das escolas do campo e nos articularmos em cada estado para resistir frente às ofensivas do governo na Educação”, informa Glorinha.

A pedagogia da alternância trabalha com o estudante fazendo um revezamento de períodos entre a escola e a experiência prática na propriedade familiar, com o objetivo de conciliar o aprendizado teórico com a aplicação prática do conhecimento. A deputada Iriny Lopes defende “o reconhecimento e fortalecimento da educação no campo e da pedagogia da alternância como referências de metodologia”.

Integram ainda a Frente capixaba os deputados Sergio Majeski (PSB), Hudson Leal (PRB), José Esmeraldo (MDB), Vandinho Leite (PSDB), Marcos Garcia (PV), Marcelo Santos (PDT), Alexandre Xambinho (Rede), Euclério Sampaio (DC), Delegado Lorenzo Pazolini (sem partido) e Adilson Espíndula (PTB).
 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
0 Comentários

Seja o primeiro a comentar.

Matérias Relacionadas

Extinção de conselhos é combatida na Câmara e no Senado

Iriny: ''Se quiser mudar a lei, Bolsonaro terá que debater com o Congresso. Não poderá fazer por decreto''

Frente Parlamentar em Defesa dos Povos Indígenas reúne cinco da bancada capixaba

Paulo Tupinikim defende que proposta de Frente semelhante seja implementada na Assembleia

Reabertura de escolas do campo é prioridade para o Comitê Estadual

Na última década, foram fechadas mais de 500 escolas do campo estaduais e municipais de ensino fundamental

Recorte necessário

Iriny relembra o que a Assembleia tanto fez questão de esquecer: as ''masmorras de Hartung''