Agentes socioeducativos fazem pressão para aprovar porte de armas

Presidente do Sinases, Bruno Menelli Dalpiero, e a categoria estão mobilizados na Assembleia

Agentes socioeducativos pediram, nesta segunda-feira (16), apoio dos deputados estaduais ao Projeto de Lei Complementar (PLC) 38/2019, que garante prerrogativas à categoria. Os servidores participaram da reunião da Comissão de Segurança, quando o presidente do Sindicato dos Servidores do Atendimento Socioeducativo do Estado (Sinases), Bruno Menelli Dalpiero, discursou sobre a situação da categoria. Segundo ele, os servidores e seus familiares estão sofrendo ameaças dos adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas.

Dalpiero ressaltou que o Instituto de Atendimento Socioeducativo do Espírito Santo (Iases) atende adolescentes de 12 a 17 anos e jovens de 18 a 21 anos. Ele informou ainda que, devido à superlotação das unidades, a Justiça tem soltado esses jovens e adolescentes, sem que eles tenham sido ressocializados.

O PLC 38/2019, dentre outros direitos, autoriza o porte de arma de fogo aos agentes socioeducativos fora do ambiente de trabalho. A proposta partiu do deputado e delegado Lorenzo Pazolini (sem partido), que estava presente na reunião e destacou que a iniciativa atende jurisprudência recente do Supremo Tribunal Federal. A matéria tramita na Casa.

A proposta deve ser apreciada pelo Plenário da Assembleia Legislativa nesta semana, em discussão prévia, o que deve perdurar por três ordinárias. Depois, segue para a Comissão de Constituição e Justiça da Casa.

De acordo com a assessoria jurídica do deputado, a constitucionalidade da matéria ja foi aprovada em parecer assinado pelo procurador geral Rafael Henrique Guimarães Teixeira Freitas na última terça-feira (10). O PLC prevê documento de identidade funcional com validade em todo território nacional e padronizado na forma da regulamentação federal; prioridade nos serviços de transporte, saúde e comunicação públicos e privados, quando em cumprimento de missão; e porte de arma de fogo de uso permitido e restrito aos agentes de segurança socioeducativos.

Além disso, o agente terá direito à prisão especial até o trânsito em julgado de sentença e, em qualquer situação, separado dos demais presos. Quando não existir estabelecimento específico para o preso especial, os agentes serão recolhidos em dependência distinta no mesmo estabelecimento.

A matéria foi protocolada no dia 19 de agosto e encaminhada para análise das comissões de Justiça, de Segurança e de Finanças. Caso seja aprovada, entrará em vigor 60 dias após sua publicação em diário oficial. 

Contrário

Gilmar Ferreira, do Centro de Defesa dos Direitos Humanos, tem, porém, uma visão diferente. Para ele, agente socioeducativo não é força pública de segurança e socioeducação não se faz com repressão, uso desproporcional da força e aparatos bélicos. “O Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo considera a função dos agentes, bem como as unidades de socioeducação, não local de repressão, punição, vingança ou presídio. Esse projeto é  absurdo e deve ser considerado inconstitucional. Ele aumenta o sentido militarizado do sistema, estimula a prática da violência e o uso desproporcional  da força e suprime o papel de ressocializar”.

E completa: “Na minha atividade militante, percebo que parcelas dos agentes socioeducativos têm o desejo de ser polícia e usar armas. Esse precedente é  mais um artifício que atende aos interesses mercantilista da indústria armamentista e colocará mais armas em circulação que aumentará a violência e a letalidade contra a população pobre e principalmente adolescentes, jovens e vulneráveis”. 

Leia Também:

Comente Aqui
Confirme seu comentário no e-mail em até 48 horas para mantê-lo ativo.
Atenção caros leitores, comentários com link não serão mais aceitos. Evite ser bloqueado.
3 Comentários
  • Marcelo , terça, 17 de setembro de 2019

    Eu não estou entendo vocês do século diário. Sério, está ficando feio o copiar e colar texto antigo. Aliás vocês desconhecem quaisquer serviços dos agentes. Por favor não atrapalhe pois temos coisas importantes a conquistar. A vida é mais importante.

  • mirandatxi@yahoo.com.br , terça, 17 de setembro de 2019

    Infelizmente o Sr. Gilmar Ferreira não é um agente socioeducativo, e que por isso ele não vive a realidade de tal servidores. Uma unidade socioeducativa não funciona sem o agente socioeducativo. É o agente que os adolescentes socioeducandos chamam quando precisam e exigem um atendimento, quando precisam ir para a escolarização, cursos, atendimento técnico e médico. Porém quando esses menores não tem as suas exigências atendidas, é o agente que sofre calúnia, injuria e ameaças diversas, inclusive de morte. O Sr. Gilmar não tem ideia o que é ser agente socioeducativo. Por isso o Sr. Gilmar não precisa de proteção e é contra o projeto do porte de arma em benefício dos servidores que cotidianamente vivem um drama dentro das unidades socioeducativas.

  • GILDOMAR Goncalves , quarta, 18 de setembro de 2019

    Este cidadão ligado aos Direitos humanos deve ser defensor de vagabundo, se preocupa só c os infratores e com os Agentes e familiares q são ameaçados e até mortos ele não se interessa. É por causa deste tipo de pessoas q cada vez mais criam -se bandidos.

Matérias Relacionadas

Abertura da 'caixa preta' dos incentivos fiscais é rejeitada na Assembleia

O Plenário da Assembleia contabilizou 18 votos, 9 x 9, levando a PEC a ser arquivada mais uma vez

Em nove meses, Estado chega a R$ 10 milhões de gastos com advogados dativos

OAB-ES comemora, mas entidades pedem valorização da Defensoria Pública, que está em apenas 26 cidades

Assembleia elabora decreto para sustar decisão da Corregedoria do TJES

Corregedor-geral Samuel de Meira tomou decisão administrativa de fechar 51 cartórios no interior

PL da Mordaça é arquivado na Assembleia Legislativa

Projeto de Vandinho ameaçava liberdade dos professores alegando perseguir 'ideologia de gênero'